Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Grupos Pingo Doce e Lidl doam 15 milhões para os refugiados da Ucrânia

03 mar, 2022 - 14:47 • Sandra Afonso

A ajuda proveniente destes dois grupos económicos pretende amenizar o sofrimento das populações vítimas da guerra e as organizações que estão no terreno a prestar todo o auxilio possível.

A+ / A-

O Grupo Jerónimo Martins, dono do Pingo Doce, anunciou esta quinta-feira que vai enviar cinco milhões de euros, em dinheiro, para apoiar os refugiados vitimas da invasão na Ucrânia.

A soma será repartida de forma igual por cinco organizações “que estão ativamente a recolher fundos e a trabalhar no terreno para apoiar as pessoas na Ucrânia e os refugiados, e mitigar o seu sofrimento”, refere a nota enviada à Renascença.

Cada uma destas organizações vai receber um milhão de euros: a Cruz Vermelha Polaca, a Cáritas Polaca, a Ação Humanitária Polaca, a Missão Médica Polaca e as Aldeias de Crianças SOS, na Polónia.

Esta verba soma-se a outros dois milhões, já doados pela Biedronka, a maior Companhia do Grupo Jerónimo Martins, e a Fundação Biedronka, “para o apoio alimentar e não alimentar, em colaboração com ONG (Organização Não Governamental) e outras instituições públicas e da sociedade civil na fronteira.”

“Todos nós no Grupo Jerónimo Martins estamos com o povo polaco no seu admirável esforço coletivo para ajudar os ucranianos neste tempo de profunda crise humanitária”, diz o presidente do Grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, citado no comunicado.

Também o Grupo Schwarz, das cadeias Lidl, anuncia que vai doar 10 milhões em bens.

Já tinham sido avançados três milhões, em valor e em espécie, e o valor sobe agora para os dez milhões. No comunicado, o grupo empresarial diz-se “chocado com os acontecimentos e desenvolvimentos na Ucrânia”, salientando que a “rápida ajuda e sem burocracias é agora a principal prioridade”.

Para a fronteira vão seguir “alimentos não perecíveis, têxteis domésticos, artigos de higiene e outros produtos de necessidade urgente.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+