Tempo
|
A+ / A-

Bolsas em queda com guerra na Ucrânia. Petróleo acima dos 100 dólares

24 fev, 2022 - 09:20 • Fátima Casanova , Marta Grosso

Na Rússia, o banco central foi obrigado a intervir no câmbio para reforçar a estabilidade financeira depois de o rublo e as ações russas terem despencado.

A+ / A-

Hora a hora, à medida que os mercados estão a abrir nas diferentes praças financeiras, as quedas sucedem-se com fortes variações negativas, na sequência da invasão da Ucrânia pelas tropas russas.

Na Rússia, a Bolsa de Moscovo teve uma queda história com uma perda superior a 30%, levando à suspensão da negociação.

A moeda (rublo), os títulos e as ações despencaram, levando o banco central a anunciar a sua primeira intervenção cambial destinada a reforçar a estabilidade financeira desde 2014, altura em que Moscovo anexou a Crimeia.

O rublo derrapou para uma baixa histórica de 89,60 face ao dólar e aproximou-se de um limiar crucial de 100 em relação ao euro – quando antes valia 70 por dólar e 81 por cada euro.

“Para estabilizar a situação no mercado financeiro, o Banco da Rússia decidiu iniciar intervenções no mercado de câmbio”, anunciou o regulador nesta quinta-feira, num movimento que ajudou a moeda a diminuir um pouco as perdas.

No resto da Europa, praticamente todas as praças apresentam quedas superiores a 4%, com Lisboa a cair, neste momento, mais de 3%

Na Alemanha, o Dax alemão cai 4%, em Madrid o IBEX cai 4.5% e o Cac-40 recua 3,9%.

De acordo com um operador de mercado citado pela agência Reuters, “face ao risco não há compradores e há muitos vendedores”

No mercado do petróleo, o cenário é também de crise: os contratos futuros do Brent fecharam na última noite com uma subida superior a 3,5%, ultrapassando os 100 dólares por barril, o que acontece pela primeira vez desde setembro de 2014.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+