Tempo
|
A+ / A-

Mais exigente no pós-pandemia, BCE avalia bancos nacionais

10 fev, 2022 - 17:44 • Sandra Afonso

"Almofada" de capital exigida à Caixa Geral de Depósitos diminuiu na mais recente avaliação do Banco Central Europeu.

A+ / A-

São três as instituições portuguesas que estão sob a alçada direta do Banco Central Europeu (BCE), devido à sua dimensão: Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco. Todos conheceram, hoje, a avaliação da autoridade monetária, sobre o respetivo risco, modelos de negócio, liquidez e fundos próprios.

Os resultados determinam os rácios de capital que devem cumprir e, no caso da CGD, o BCE reduziu a exigência (de 2,25% para 2%). Ou seja, o banco público está este ano mais seguro.

Já o BCP viu os critérios apertarem. A exigência aumentou (de 2,25% para 2,5%), o que obriga o banco liderado por Miguel Maya a reforçar a almofada, para prevenir eventuais choques.

No Novo Banco não há alterações, mantém o atual nível de exigência (3%), que continua a ser o mais elevado entre os três bancos.

O conselho de supervisão do BCE avança ainda que os bancos europeus estão sólidos, e as medidas de alívio da pandemia podem ser retiradas. No entanto, aumentou as exigências sobre o capital mínimo pedido a cada instituição.

O BCE avaliou também os grandes bancos estrangeiros em Portugal, mas as notas são atribuídas ao grupo. O espanhol Santander manteve as exigências (1,5%), o dono do BPI, o CaixaBank, subiu (de 1,5% para 1,65%).

No geral, entre os mais de 100 bancos avaliados, as exigências de capital aumentaram (de 2,1% para 2,3%), sobretudo por “insuficiência de provisões” para cobrir o risco de crédito malparado.

Ainda assim, o Banco Central Europeu defende que “as instituições de crédito têm posições de capital e de liquidez sólidas, com notações, em geral, estáveis”. Por isso, defende que sejam levantadas as medidas de alívio criadas para a fazer face à pandemia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+