Tempo
|
A+ / A-

Ryanair pede ao próximo Governo para não “desperdiçar dinheiro” na TAP

29 nov, 2021 - 18:59 • Lusa

Ryanair apela ao executivo que force a companhia aérea portuguesa a libertar ‘slots’ no aeroporto de Lisboa.

A+ / A-

O presidente executivo (CEO) da Ryanair, Michael O’Leary, defendeu hoje que o Governo que sair das eleições de janeiro deve “parar de desperdiçar dinheiro” com o “projeto falhado” do resgate da TAP.

“Qualquer que seja o Governo eleito, esperamos que, em primeiro lugar, pare de desperdiçar dinheiro que devia destinar-se a escolas, hospitais, professores e enfermeiros num projeto falhado, como o resgate da TAP”, defendeu o responsável da companhia aérea de baixo custo irlandesa, numa conferência de imprensa, em Lisboa.

Em segundo lugar, a Ryanair apelou ao Governo português para que force a companhia aérea portuguesa a libertar ‘slots’ (autorizações para descolar e aterrar num determinado período de tempo) no aeroporto de Lisboa.

“Podemos recuperar rotas, tráfego e postos de trabalho no verão de 2022 se o Governo simplesmente disser à TAP ‘não há mais ajudas de Estado, se não libertarem os slots. Se não vão usá-los, libertem-nos!”, sublinhou Michael O’Leary.

Para o responsável, o plano de reestruturação da TAP, que ainda aguarda ‘luz verde’ da Comissão Europeia, “nunca vai acontecer”, e considerou que os “rumores” sobre o interesse da Turkish Airlines na companhia portuguesa, avançado hoje pelo Negócios, “não pode acontecer, porque não são uma companhia da União Europeia” e nestes casos não podem ter uma posição maioritária na companhia aérea.

A Ryanair insistiu que o Governo português deve introduzir um esquema de recuperação da companhia de bandeira que não seja discriminatório para as outras companhias.

A companhia anunciou 17 novas rotas em Portugal, para o próximo verão, onde passará a ter cinco bases e 28 aeronaves. Segundo Michael O’Leary, há oportunidade para crescer rapidamente em Portugal, uma vez que os seus concorrentes estão a “encolher”.

A Ryanair está atualmente a treinar 700 novos pilotos e tem 1.300 à espera de começar o treino em janeiro.

Na semana passada, a companhia aérea irlandesa apresentou a sua nova base na Madeira, onde vai disponibilizar 350 mil lugares em 10 rotas com ligação àquela região autónoma em 2022, entre as quais Lisboa e Porto.

Questionado sobre declarações anteriores em que afirmou que a Ryanair não voava para a Madeira porque a taxa aeroportuária era muito alta, Michael O’Leary disse que a companhia mudou de ideias.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+