Tempo
|
A+ / A-

Nova variante de Covid-19 causa maior queda do ano em Wall Street

26 nov, 2021 - 23:09 • Lusa

Índice emblemático de Wall Street desvalorizou 2,53%, bem acima dos 2,09% da sua maior queda este ano, em julho.

A+ / A-

A bolsa nova-iorquina fechou em baixa acentuada, com os investidores preocupados com a descoberta de uma variante recente da Covid-19, que provocou a maior queda do índice seletivo Dow Jones Industrial Average este ano.

Este índice emblemático de Wall Street desvalorizou 2,53%, bem acima dos 2,09% da sua maior queda este ano, em julho, para acabar nos 34.899,34 pontos.

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq perdeu 2,23%, para as 15.491,66 unidades, e o alargado S&P500 baixou 2,27%, para os 4.594,62 pontos.

B.1.1.529. Hoje, toda a gente em Wall Street tinha estas iniciais bárbaras na ponta da língua, respeitantes à mais recente variante do novo coronavirus, identificada pela primeira vez na África do Sul.

Considerada muito contagiosa, foi classificada como "preocupante" pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que a batizou, hoje, Omicron. "Os investidores hoje só têm uma ideia na cabeça", comentou Ross Mayfield, analista da Baird.

"Há razões para pensar que [esta nova variante] é mais contagiosa e mais problemática que a Delta", acrescentou.

"Portanto, a reação do mercado ao grau de incerteza atual faz sentido, mais a mais sabendo que se está perto de níveis recorde" nos índices.

Longe de se limitar ao mercado acionista, a crispação atingiu também o obrigacionista.

O rendimento médio dos títulos da dívida pública a 10 anos baixou fortemente, ao perder 16 pontos-base (0,16 pontos percentuais) em 24 horas, o que é considerável, dado que o período de tempo foi curto.

Passou assim de 1,64% na quarta-feira à noite, para 1,48% hoje (o mercado esteve fechado na quinta-feira, devido ao feriado do Dia da Ação de Graças, Thanksgiving, como os norte-americanos o designam).

Por hábito, a sessão de sexta-feira do Thanksgiving, entalada entre o dia feriado mais importante dos EUA e um fim de semana, é uma das mais calmas do ano, com volumes irrisórios.

Ao contrário, os fabricantes de vacinas contra o novo coronavirus Moderna, Pfizer e Novavax foram alguns dos grande beneficiários do dia, com avanços respetivos de 20,57%, 6,11% e 8,95%.

A mesma coisa para as empresas que foram as revelações da pandemia, pelo confinamento e teletrabalho, a saber, a plataforma de videoconferência, a Zoom, que ganhou 5,72%, e a Peloton, especialista em venda de bicicletas para atividade física em casa, que progrediu 5,67%.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+