Tempo
|
A+ / A-

Explicador

Está aí a Black Friday. Entre nas promoções de olhos abertos

25 nov, 2021 - 09:40 • Sandra Afonso

O dia oficial é a última sexta-feira de novembro, mas há lojas que decidem alargar a iniciativa a toda a semana ou até grande parte do mês. A má notícia é o aumento dos riscos para o consumidor, seja do lado da oferta seja nos métodos de pagamento.

A+ / A-

A última sexta-feira de novembro é dia de fortes promoções (e até emoções) por causa desta tradição importada da celebração do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos: a Black Friday.

Muitas marcas já alargam os descontos a todo o fim-de-semana ou mesmo à última semana do mês, e há ainda quem reduza os preços na Cyber Monday, a segunda-feira seguinte. Mas há pormenores a que deve estar atento para que o sonho não se torne em pesadelo.


Como garanto que o preço indicado está em desconto?

A Direção-Geral do Consumidor recomenda atenção e prevenção. O ideal é que os consumidores “verifiquem antecipadamente os preços na loja e na internet para poderem avaliar a relação entre o preço e o desconto praticado”.

Existe alguma forma de comparar os preços?

A Deco disponibiliza um comparador de preços, que mostra a evolução do valor do produto nos últimos três meses.

Basta ir ao site da Associação de Defesa do Consumidor e pesquisar pelo nome do produto, pela loja ou pelo endereço eletrónico do que quer comprar. A Deco diz se recomenda a compra e mostra a evolução do preço nos últimos sete dias, mês e três meses.

Uma pechincha ou uma oportunidade?

Mesmo que esteja mais barato, deve sempre questionar se precisa desta compra ou é mais um artigo para encher a casa e esvaziar a carteira. A Deco recomenda ainda que dê atenção à qualidade do produto – o menor preço nem sempre aponta para a melhor opção.

Compensa comprar a crédito ou prestações?

Avalie com atenção as condições da compra. Várias marcas já oferecem campanhas com vendas sem juros, mas garanta que o somatório das prestações corresponde ao preço indicado. Comprar com cartão de crédito nunca é um bom negócio, o desconto deverá desaparecer, anulado pelos juros.

Posso devolver depois do Natal?

Antes de gastar o dinheiro, confirme sempre as condições de troca e devolução dos produtos. Embora a maioria das compras nesta altura tenha como destino o Natal, os comerciantes não são obrigados a estender os prazos até ao final do mês.

Em compras pela internet, tem até 14 dias para devolver o produto, mas se o levantar na loja esta data pode ser diferente. Nas lojas físicas, as devoluções só são obrigatórias em condições excecionais – é o caso de produtos com defeito. Em todas as situações, o vendedor pode estabelecer regras específicas para esta época.

O que devo fazer se encontrar publicidade agressiva ou enganosa?

São “práticas proibidas” e, por isso, deve enviar uma reclamação para a Direção Geral do Consumidor, o organismo competente, através do Livro Eletrónico de Reclamações.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) também é acionada, enquanto fiscalizadora das regras que regulam a redução de preços. Entre 2019 e outubro deste ano, a ASAE detetou uma taxa de incumprimento de 9% nas lojas físicas e de 6% online.

Qual a melhor forma de pagamento?

Para garantir que não é vítima de um cibercrime, o melhor é pagar em dinheiro vivo. No entanto, se a compra for online terá mesmo de confiar nos pagamentos à distância.

A melhor forma de prevenir que não é burlado é seguir algumas regras simples:

. Evite redes wi-fi partilhadas ou públicas;

. Nunca partilhe dados bancários em redes que não considera seguras;

. Antes de preencher qualquer informação, confirme o endereço;

. Prefira sempre o acesso direto, através do website oficial, para evitar páginas falsas;

. Desconfie de promoções bombásticas e produtos quase de borla;

. Não abra anexos ou clique em links em emails de bancos, aplicações de pagamento online, ou sites de compras, sobretudo se o remetente insistir no assunto;

. Rejeite mensagens e e-mails com ofertas, que nem sempre são identificados como spam.

Segundo a empresa internacional de cibersegurança Kaspersky, antes da Black Friday as fraudes com pagamentos online aumentaram 208%. Nos primeiros 10 meses deste ano, foram detetados mais de 40 milhões de ataques, só entre setembro e outubro as tentativas de phishing duplicaram, passaram de mais de 627 mil para quase dois milhões de ataques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+