Tempo
|
A+ / A-

Congresso da AHP

​O Algarve perdeu a sua identidade e tem que a recuperar

13 nov, 2021 - 02:37 • Ana Carrilho

Esta foi uma das questões debatidas no painel “Algarve: onde estão as ameaças e oportunidades”, no último dia do Congresso da AHP – Associação da Hotelaria de Portugal que decorreu precisamente, no Algarve, em Albufeira durante os últimos dois dias.

A+ / A-

O Algarve de hoje é completamente diferente do Algarve dos anos 80. Ganhou muitas infraestruturas e qualidade de vida, mas na opinião da CEO da Rota Vicentina, Marta Cabral, também perdeu identidade. E se o turismo contribuiu para o desenvolvimento, também é responsável por essa perda de identidade.

Uma posição que não colhe unanimidade embora todos apontem a via da sustentabilidade e do ordenamento do território como inevitável para o futuro. Os hoteleiros lamentam a falta de mão de obra – faltam 50 a 60 mil ativos - de habitação e de mobilidade intermunicipal. Por outro lado, o Algarve está cada vez mais no radar dos investidores e a procura aumenta.

O turista não conhece o verdadeiro Algarve

Marta Cabral, CEO da Rota Vicentina não tem dúvidas em frisar que “o turismo é território e o turismo só pode ser sustentável quando a prioridade for o território e as pessoas que lá vivem. O Algarve tem um problema grave de identidade, o que era na década de oitenta, foi-se perdendo durante estes anos”.

“Aquilo que um turista conhece do Algarve não é o verdadeiro Algarve. Há toda uma narrativa que está desajustada da forma como os algarvios olham para o Algarve, sobretudo os que não estão nos meios urbanos. O Algarve é objetivamente uma região maioritariamente rural e estamos muito focados no modelo urbano, mesmo que incluamos a praia”.

A responsável da Rota Vicentina referiu que pode ser incómodo dizê-lo, mas é preciso reconhecer que a indústria do turismo, a nível global, não é sustentável. É preciso fazer mudanças que não acontecem de um dia para o outro e implicam uma responsabilidade pública e privada.

Marta Cabral sublinhou que é preciso olhar para todo o território com atenção, não apenas para a linha de costa. “e até aí, a pesca desapareceu totalmente, o que temos hoje e peixe no prato, o que é diferente. Há muito trabalho a fazer porque se perdeu muito.

Algarve atrai turistas, mas não pessoas para viver e trabalhar

O Algarve tem um grave problema de falta de população ativa, diz Mário Azevedo Ferreira, CEO do grupo NAU Hotels & Resorts. Nas contas do hoteleiro faltam cerca de 50 a 50 mil pessoas para viver e trabalhar no Algarve e não vêm para a região porque não há habitação e a preços que possam pagar. “E infelizmente não há um Plano de habitação para as acolher”.

A falha de mão de obra nota-se especialmente na área do turismo, mas segundo Mário Azevedo Ferreira também há dificuldade em contratar médicos, enfermeiros, professores e forças de segurança, devido à falta de habitação.

Refere este como um dos grandes constrangimentos mas também a falta de uma rede de transportes intermunicipais e uma lei laboral que “não é amiga do emprego, rígida, genérica, inspirada na indústria e não adequada a uma região afetada pela sazonalidade”. Por isso considera que “tem que vir gente de fora”.

João Fernandes, o presidente da Entidade Regional de Turismo do Algarve admite que há alguns problemas relacionados com as infraestruturas, há anos por resolver e que se devem à falta de financiamento.

Mesmo com o aumento de verbas no novo quadro comunitário, João Fernandes frisa que o Algarve ainda está longe das outras regiões porque o financiamento europeu é inferior ao de outras regiões com o PIB per capita mais baixo. Mas alerta que “o novo pacote financeiro é mais robusto, temos esmo que executar“.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    13 nov, 2021 aqui 21:44
    Não foi só o All Garve que perdeu identidade; o país inteiro perdeu identidade. Importamos tudo do mundo anglo-saxonico, incluido os seus estilos de vida, as suas lutas políticas, a sua música, a sua língua, enfim, a sua cultura. O que era genuinamente português passou a ser visto como antiquado e retrógrado. Viver numa qualquer cidade portuguesa ou viver numa cidade norte-americana ou europeia é a mesma coisa, com excepção dos salários.
  • Cidadao
    13 nov, 2021 Lisboa 10:45
    Paguem salários que não sejam esmolas, e as pessoas aparecerão.

Destaques V+