Tempo
|
A+ / A-

Turismo

"É possível" um novo aeroporto de Lisboa em 2025

10 nov, 2021 - 21:26 • Ana Carrilho

Raul Martins diz ser "fundamental manter a Portela" e, "por questões ambientais e de sustentabilidade, o 'hub' deverá ser o Montijo", já que Alcochete é mais caro e também levanta questões ambientais.

A+ / A-

O presidente da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) diz ser “possível” ter um novo aeroporto em Lisboa no prazo de três anos, até 2025.

Na conferência de imprensa que antecedeu o início do congresso, que decorre até sexta-feira em Albufeira, Raul Martins destacou o problema das acessibilidades aéreas e do aeroporto de Lisboa como um dos grandes obstáculos para a retoma do turismo nacional.

Apesar de algumas companhias aéreas já terem começado a voar diretamente para destinos como Porto, Faro, Madeira e Açores, sem passar pelo hub de lisboa, o líder dos hoteleiros considera que esta questão tem de ser e pode ser resolvida.

"A minha expectativa é que em 2025 exista aeroporto. Eu estou a dizer que é possível. Se o estudo estratégico demora um ano a ser apresentado e um ano a ser decidido, um aeroporto demora um ano a ser construído. É possível”, disse.

O presidente da ANA Aeroportos já tinha dito que uma nova infraestrutura aeroportuária não deverá estar pronta antes de 2035, mas o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, assegurou que terá que acontecer bem mais cedo.

Na conferência de imprensa, Raul Martins deixou, no entanto, claro que "é fundamental manter a Portela" e, "por questões ambientais e de sustentabilidade, o 'hub' deverá ser o Montijo", já que Alcochete é mais caro e também levanta questões ambientais.

Mesmo assim, a opção Alcochete não é totalmente excluída, mas é preciso ver as questões ambientais e de sustentabilidade.

Se tiverem as mesmas condições, Montijo pode ser preferível, porque a desminagem do campo militar de Alcochete é dispendiosa e têm de ser os contribuintes a pagar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+