Tempo
|
A+ / A-

Escalada dos combustíveis. “Se continuar assim, posso vir a fechar”

25 out, 2021 - 06:40 • Olímpia Mairos

Para fugir aos preços altos da gasolina e do gasóleo, os portugueses vão aonde é mais barato. As bombas na fronteira são as mais penalizadas com a deslocação dos consumidores para Espanha.

A+ / A-
Escalada dos combustíveis. “Se continuar assim, posso vir a fechar”. Reportagem de Olímpia Mairos
Escalada dos combustíveis. “Se continuar assim, posso vir a fechar”. Reportagem de Olímpia Mairos

O aumento continuado do preço da gasolina e do gasóleo está a deixar vários postos de combustíveis sem clientes e, por isso, em dificuldades financeiras.

Nas bombas de Curalha, à entrada de Chaves para quem sai da A24, não se encontra ninguém a abastecer. Um cenário comum ao que se tem verificado nos últimos dias, conta Graça Silva, a proprietária, à Renascença.

“Tem-se vendido muito pouco, as pessoas não têm parado, devido ao aumento do preço dos combustíveis”, diz, ao mesmo tempo que olha para a estrada, notando que também ali “não circulam automóveis”.

“Está muito difícil, pois cada vez se vende menos. Se continuar assim, até posso vir a fechar”, desabafa a proprietária que trabalha ali, com o marido e um empregado.

E nem a descida do ISP anunciado pelo Governo, e que vai vigorar até ao dia 31 de janeiro do próximo ano, sossega quem vive da venda de combustíveis.

“Não aquece nem arrefece, porque o combustível está sempre a aumentar”, diz Graça Silva, sugerindo que “está na hora de todos os revendedores de combustíveis se unirem e obrigarem o Governo a encontrar uma solução para fazer face à escalada dos preços”.

“Acho que devíamos fazer uma greve, para ver onde isto ia parar. Paravam os postos de combustíveis e, assim, fazíamos com que tudo parrasse e o Governo logo iria tomar outras decisões”, defende.

Também no centro da cidade de Chaves, o posto de combustíveis onde trabalha Diogo Rosa está sem ninguém para abastecer. Nos últimos dias os clientes têm vindo a diminuir e quem chega para abastecer já não pede para encher o depósito.

“O máximo que metem agora é até 20 euros. Cinco, dez euros, é a média dos últimos dias”, diz Diogo Rosa, acrescentando que a “quebra nas vendas é muito acentuada, sobretudo na gasolina”.

“Num turno de oito horas passavam aqui mais de 100 carros e agora quase não chega a metade”, exemplifica.

Cenário idêntico é descrito à Renascença por Augusto Sevivas, do posto de combustíveis situado na EN 2, uma estrada por onde circulam diariamente várias centenas de automóveis.

“Há muita gente que já não enche o carro. Antigamente era 50/60 euros e, neste momento, metem aos 10 e 20 euros. E onde se nota um decréscimo maior é na gasolina”, conta Augusto, afirmando que “a culpa de toda esta situação é do Estado”.

O continuado aumento do preço dos combustíveis está a levar os clientes para Espanha, onde gasolina e gasóleo são mais baratos, e a agudizar os problemas nas bombas próximas da fronteira.

“As pessoas procuram ter dinheiro para todos os gastos do mês e subindo os combustíveis têm de procurar onde são mais baratos e como estamos próximos da fronteira, rápido vão para o lado de lá”, diz Augusto.

O funcionário refere ainda que, por mais criativos que sejam, não é possível fidelizar os clientes e competir com Espanha.

“Mesmo que nós tenhamos cartões de descontos, não chega, porque as pessoas olham para o preço e para a carteira e, então, vão onde é mais barato”, conclui.

Em Espanha, a gasolina 98, por exemplo, é de 0,30 euros por litro a menos que em Portugal. A diferença de encher um só depósito do carro pode levar a uma poupança de 20 euros.

Este ano, o preço dos combustíveis subiu na segunda-feira pela 36.ª vez. Este mês, Portugal tinha a 7.ª gasolina mais cara da União Europeia. No gasóleo, num mês, o país passou de 6.º para 9.º lugar.

Na segunda-feira, o Presidente da República admitia que a subida dos combustíveis é preocupante quer para as famílias, quer para as empresas. Marcelo Rebelo de Sousa alertou mesmo que não haverá arranque da economia, se os preços continuarem a subir.

Na quarta-feira, o Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a lei que limita as margens de comercialização dos combustíveis, mas com recados para o Governo.

Numa nota da Presidência da República reconhece que este diploma, agora promulgado, é “um primeiro passo para mitigar uma situação de emergência económica e social, que mais do que justifica a intervenção do Estado no mercado”.

Contudo, Marcelo avisa que “a presente lei adota medidas paliativas” que “não enfrentam várias outras questões da situação atual”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    25 out, 2021 Seixal 11:27
    É a vida…. A GALP também despediu centenas de trabalhadores e ninguém se importou muito com isso, entretanto o assunto já caiu no esquecimento.

Destaques V+