Tempo
|
A+ / A-

Antram

"Nada a perder". Transportadores de mercadorias admitem parar face ao aumento dos combustíveis

14 out, 2021 - 19:03 • Redação

Presidente da Antram diz que há “grande número de empresas muito pequenas que chegam a uma altura em que já não têm mais nada a perder". "Foi algo que já aconteceu no passado em contextos menos adversos do que aquele que temos hoje", reconhece Pedro Polónio.

A+ / A-

As empresas de transporte de mercadorias admitem paralisar a atividade, no quadro da escalada do preço dos combustíveis.

Em declarações à SIC Notícias, o presidente da Antram, a associação que representa o setor, diz que o preço dos combustíveis está a atingir valores incomportáveis para muitos associados e acusa o governo de não dialogar.

Pedro Polónio começa por referir que “nunca houve nenhuma paralisação promovida pela Antram. Mas já existiram paralisações, ou seja, as pessoas quando ficam de cabeça perdida tomam o tipo de ações que acharem mais convenientes”.

O descontentamento poderá explicar apenas uma parte da questão. Do outro lado está a incapacidade de fazer face ao aumento constante do mais importante custo de contexto da atividade.

Além de que, segundo o presidente da Antram, há “grande número de empresas muito pequenas, de uma, duas, três pessoas que chegam a uma altura em que já não têm mais nada a perder e não me admira nada que estas pessoas se juntem e comecem a fazer este tipo de protestos. É algo que me parece natural. E isso foi algo que já aconteceu no passado em contextos menos adversos do que aquele que temos hoje”, remata Pedro Polónio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+