Tempo
|
A+ / A-

OE 2022

Cuidadores informais. 30 milhões para alargar projetos-piloto "não é novidade nenhuma", alerta associação

13 out, 2021 - 22:26 • João Malheiro

Associação dos Cuidadores Informais lamenta a demora na regulamentação do estatuto e vai agendar um protesto para 26 de outubro, junto à Assembleia da República.

A+ / A-

A Associação dos Cuidadores Informais contesta o anúncio de 30 milhões de euros do Orçamento do Estado para 2022 destinados ao alargamento a todo o país dos 30 projetos piloto do Governo.

Em declarações à Renascença, a vice-presidente Maria dos Anjos Catapirra lamenta a demora na regulamentação do Estatuto do Cuidador e a ausência de respostas do ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social.

2022 será o “o terceiro ano que a mesma verba [30 milhões de euros] é adjudicada para os cuidadores informais, não há novidade nenhuma”, diz a responsável.

“A associação não entende e as pessoas não entendem porque é que estão a falar em alargamento das medidas de cuidadores informais para janeiro de 2022 quando já deveriam ter sido aplicadas desde junho de 2021”, acrescenta Maria dos Anjos Catapirra.

À falta de respostas da parte do gabinete de Ana Mendes Godinho, os cuidadores informais têm previsto um protesto junto à Assembleia da República que deverá acontecer a 26 de outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+