Tempo
|
A+ / A-

"Vergonha e desperdício”

Mira Amaral. "Estado é megalómano, quer ir a todas"

21 jul, 2021 - 18:46 • Sandra Afonso

Quando o país se prepara para receber milhões de Bruxelas, uma parte a fundo perdido, o antigo governante critica a execução no país.

A+ / A-

O antigo ministro Mira Amaral diz que o Estado português é "megalómano" e não sabe usar o dinheiro dos contribuintes nem os fundos europeus.

Quando o país se prepara para receber milhões de Bruxelas, uma parte a fundo perdido, o antigo governante critica a execução no país.

“Quando o Estado intervém, tem que saber intervir e bem. Tem que ter o conceito de ‘value for money’, saber usar o dinheiro do contribuinte. Eu, que até sou liberal, não me choca que o Estado possa intervir nalgumas coisas. Agora, choca-me profundamente que em Portugal o Estado é megalómano, quer ir a todas e depois não vai a nenhuma. Nem às funções essenciais do Estado vai”, afirma Mira Amaral.

No debate "Potenciar os efeitos dos fundos europeus na economia nacional", organizado pelo Fórum para a Competitividade e que decorre no Centro de Congressos de Lisboa, o antigo ministro diz que a boa afetação de recursos é um problema grave em Portugal.

“O problema já nem é tanto a escolha societal, porque acho que as sociedades europeias até querem mais Estado na economia do que a americana, ou anglo-saxónicas. A minha questão é a boa afetação de recursos. Um Estado nórdico ou alemão até, razoavelmente, sabe gastar o dinheiro. Nós, isto é uma vergonha e um desperdício.”

Neste debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o ex-ministro da Indústria e Energia defendeu que a aplicação dos fundos vai ficar aquém, devido às distorções na economia e à falta de reformas estruturais.

Segundo Mira Amaral, “o Estado é um grande condicionante do desenvolvimento socioeconómico do país”.

O debate "Potenciar os efeitos dos fundos europeus na economia nacional” vai ser encerrado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+