Tempo
|
A+ / A-

Um quarto das PME ficou sem qualquer ajuda na pandemia

05 jul, 2021 - 08:17 • Olímpia Mairos

O apoio do Estado só chegou a 21% das pequenas e médias empresas. Na Zona Euro, só a Finlândia gastou menos, mas até ajudou mais empresas.

A+ / A-

Veja também:


Portugal deixou um quarto das pequenas e médias empresas (PME) sem qualquer ajuda na pandemia. A notícia é avançada pelo jornal Público que cita o mais recente relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

O estudo analisa o impacto da crise e a resposta dos governos para a recuperação nas PME's. No caso português, o auxílio do Governo foi o mais pequeno da zona euro, com os apoios a chegar a apenas 21% das pequenas e médias empresas.

Portugal ficou mesmo no fim do pelotão na ajuda direta às PME Portuguesas, tendo feito, ainda assim, um esforço de 3,6% do PIB.

De entre os restantes membros europeus da OCDE, só a Hungria (2,8% do PIB) e a Finlândia (3,2%) gastaram menos. Assinale-se, no entanto, que a Finlândia (que integra a zona do euro) terá ajudado mais PME do que Portugal, embora fazendo um esforço financeiro menor.

De acordo com o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, 25,5% de PME em Portugal registaram quebras de vendas na ordem dos 40% ou mais e não tiveram qualquer ajuda.

O confinamento geral no início da pandemia e as muitas restrições na ponta final do ano, provocaram quedas no PIB português na ordem dos 7,6% em 2020, mais do que o PIB dos países do euro (-6,8%) e mais do que em toda a OCDE (-4,7%).

As estimativas apontam para uma recuperação portuguesa também mais lenta, prevendo que o PIB português possa crescer 3,7% este ano, enquanto a média da zona euro deve situar-se nos 4,3%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+