Tempo
|
A+ / A-

​Onda de cancelamentos no alojamento local e hotelaria. "Este verão pode ser ainda pior"

28 jun, 2021 - 18:09 • Hugo Monteiro

Setor pede novos apoios ao Governo perante a perspetiva de um segundo verão com grandes quebras na faturação devido à pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


Mais de 50 mil reservas em alojamentos locais foram canceladas nas últimas semanas, diz à Renascença Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local.

Os níveis de cancelamento atingiram este mês os níveis mais elevados num ano e este domingo foi o pior dia de sempre no que respeita a anulação de reservas.

Na origem desta situação está a decisão da Alemanha e Reino Unido de impor restrições às viagens dos turistas para Portugal.

A sobrevivência do setor está em causa e é preciso uma nova onda de apoios do Governo, diz Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local.

“O mês de julho já está perdido e começa já a comprometer o mês de agosto. E, aí, é muito complicado para as empresas, sem algum tipo de apoio, resistir não só um ano, mas dois verões seguidos praticamente sem faturar. É preciso um novo balão de oxigénio neste período até que a retoma se torne efetiva.”

Eduardo Miranda assinala a importância do setor para a economia nacional. “Hoje, o alojamento local representa qualquer coisa como 40% das dormidas a nível nacional. São 10 mil microempresas que estão em causa com essas dificuldades”, alerta.

Os turistas que estão a cancelar as reservas são provenientes de cada vez mais países. Esta vaga de cancelamentos acontece em todo o território nacional, exceção para a Madeira que passou a integrar a "lista verde" do Reino Unido.


"Este verão pode ser ainda pior"

A cancelamentos também já está a acontecer nos hotéis? O presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve afirma que sim e a situação vai piorar com a decisão de obrigar os turistas britânicos sem vacinação completa a fazer quarentena à chegada a Portugal.

Elidérico Viegas explica que, no caso alemão, só mais tarde é que as unidades hoteleiras deverão sentir os reflexos destes cancelamentos, uma vez que os turistas alemães optam, quase sempre, por fazer reservas através das agências.

Quanto aos turistas britânicos, a decisão do Governo português de os obrigar a quarentena à chegada a Portugal, vem agravar ainda mais a situação.

Elidérico Viegas assume o pessimismo que diz existir entre os agentes turísticos algarvios: o verão deste ano poderá ser ainda pior do que o de 2020.

"As perspetivas eram boas para este verão. Esperávamos ter mercados externos, nomeadamente do Reino Unido que é o nosso maior fornecedor de turistas. Neste momento, e caso a pandemia não evolua favoravelmente, podemos ter um verão pior do que o ano passado, uma vez que existem restrições também ao nível interno e isso pode limitar a vinda de portugueses para o Algarve, situação que já se tem verificado nas últimas semanas, com as restrições impostas à zona da Grande Lisboa".

Um quadro que leva, também, os hoteleiros algarvios a pedir mais apoios por parte do Governo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    28 jun, 2021 Lisboa 17:52
    Pior foi o inverno passado em que morreram mais de 10000 pessoas de Covid.

Destaques V+