Tempo
|
Autárquicas 2021
35,35%
141Câmaras
13,82%
70Câmaras
11,36%
29Câmaras
7,96%
18Câmaras
5,67%
18Câmaras
4,1%
0Câmaras
2,59%
0Câmaras
1,54%
5Câmaras
1,16%
0Câmaras
12,30%
11Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3055 de 3092
  • Abstenção: 45,96%
  • Votos Nulos: 1,60%
  • Votos em Branco: 2,52%

A+ / A-

Estudo

Crise provocada pela pandemia atirou 400 mil pessoas para a pobreza

22 jun, 2021 - 07:20 • Lusa

Estudo do Observatório Social da Fundação "la Caixa" revela que a pandemia levou a um impressionante aumento de 25% da pobreza ao longo de um ano.

A+ / A-

Veja também:


Cerca de 400 mil pessoas caíram abaixo do limiar da pobreza devido à crise provocada pela pandemia da Covid-19, agravando o fosso entre os ricos e os pobres em Portugal.

"Em comparação com o cenário sem crise, 400 mil novos indivíduos caíram abaixo do limiar de pobreza, definido como 60% do rendimento mediano equivalente, aumentando a taxa de risco de pobreza em 25% como consequência da pandemia", concluiu o estudo do Observatório Social da Fundação "la Caixa", da autoria do Center of Economics for Prosperity (PROSPER) da Universidade Católica de Lisboa.

Queda de rendimento. A pandemia resultou numa "perda substancial de rendimentos para a população portuguesa", com o rendimento mediano anual a cair de 10.100 euros no cenário sem crise para 9.100 euros no cenário com crise. Mas, segundo o documento, as medidas do Governo minimizaram em parte o aumento da pobreza e da desigualdade.

Duas classes mais afetadas. Além disso, a crise provocada pela Covid-19 "teve efeitos assimétricos", uma vez que as classes baixa e média-baixa, a região do Algarve e as pessoas com escolaridade até ao nono ano "foram os grupos mais afetados por esta crise, com perdas claramente acima da média nacional", refere o estudo.

De acordo com o estudo, a maior parte das pessoas mais afetadas pela crise já se situava na metade inferior da distribuição de rendimento no cenário sem crise, o que fez com que aumentasse a desigualdade.

Pobreza cresceu. "Os resultados mostram que a pandemia levou a um impressionante aumento de 25% da pobreza ao longo de um ano, quando comparados os cenários com e sem crise, pondo em risco os progressos feitos nos últimos 20 anos e invertendo a tendência de redução continuada da pobreza iniciada em 2015, quando a taxa de pobreza era de 19%", refere o documento.

O estudo, da autoria de Joana Silva, Anna Bernard, Francisco Espiga e Madalena Gaspar, salienta ainda que as políticas de proteção aplicadas pelo Governo em 2020 atenuaram o aumento da pobreza e da desigualdade em Portugal.

"Sem a sua implementação, o confinamento inicial de oito semanas teria produzido aproximadamente o mesmo impacto sobre a pobreza e a desigualdade que aquele calculado para um ano inteiro", adianta o documento do PROSPER, ao avançar que o regime de lay off simplificado, destinado a trabalhadores por conta de outrem, e os apoios extraordinários para trabalhadores por conta própria "foram eficazes para atenuar o impacto da crise".

"A pandemia, ainda em curso, e a crise económica resultante, trazem consigo desafios orçamentais substanciais, uma vez que esforços governamentais de grande magnitude podem ser difíceis de sustentar por um período prolongado", alerta o PROSPER, para quem é "evidente que, sem uma forte recuperação, uma redução das políticas de proteção pode causar um impacto negativo substancial na pobreza e na desigualdade".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+