Tempo
|
A+ / A-

Barómetro

Férias. Quase metade dos portugueses vai ficar por cá

17 jun, 2021 - 09:47 • Lusa

Aqueles que pretendem sair de Portugal escolhem, em primeiro lugar, Espanha. Mas só 26% dos portugueses reservaram as suas férias ou parte delas até agora.

A+ / A-

Quase 50% dos portugueses escolheram Portugal para passar as férias deste ano, seguindo-se Espanha nas preferências dos turistas nacionais, de acordo com os resultados do 20.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance.

Em comunicado, o grupo (que realizou este trabalho em parceria com a Ipsos) concluiu que "cerca de 62% dos portugueses têm planos para viajar durante os meses de verão e 46% escolhe Portugal como destino de eleição para fazer férias”.

Segundo o mesmo estudo, “no estrangeiro, Espanha (18%) é o destino eleito pelos cidadãos portugueses neste verão, seguindo-se França (9%) e Itália (5%)”, sendo que “apenas 26% dos portugueses já reservou as suas férias ou parte delas, uma tendência que está em linha com a maioria dos países em análise”.

Paralelamente, o estudo descobriu que “Portugal é o destino de preferência dos espanhóis”.

“A higienização dos meios de transporte (56%) e o acesso a informação relacionada com a Covid-19 no destino de férias escolhido (47%), assim como um teste negativo ao vírus antes de viajar (46%) são algumas das condições mais valorizadas pelos portugueses para decidirem o local de férias deste verão”, adiantou ainda a Europ Assistance.

Pouca gente e natureza nas preferências

Segundo os resultados do barómetro, “depois dos vários meses de confinamento, e apesar dos locais perto do mar serem os mais requisitados pelos turistas europeus (58%), os viajantes inquiridos mostram uma cada vez maior preferência por férias em locais isolados e pautados pela natureza, fora das grandes cidades e que lhes permitam passar tempo perto de familiares e amigos”, lê-se na mesma nota, que dá o exemplo de “Portugal, França, Bélgica, Espanha e Reino Unido, onde existe um maior interesse em fazer férias no campo”.

Segundo o estudo, “o orçamento médio dos europeus desceu 21% comparativamente a 2019, situando-se nos 1.556 euros”, sendo que “o orçamento médio dos portugueses para as férias de verão foi o único dos países em análise que se manteve estável, situando-se nos 1.339 euros”.

“A maioria dos cidadãos europeus (71%) manifesta uma elevada preocupação em relação à saúde dos seus familiares e amigos no momento de viajar, principalmente os que habitam em Portugal, Espanha, Itália e Polónia”, indica o estudo, acrescentando que “os portugueses (75%) são dos mais preocupados com as repercussões económicas da crise sanitária”.

Trabalhar nas férias?

As conclusões do estudo mostram ainda que “a par da Ásia e dos EUA, os portugueses (31%) são os cidadãos europeus que mais ponderam trabalhar a partir do destino de férias”.

Os portugueses privilegiam o carro (58%) para viajar, segundo o comunicado, “por se tratar do transporte mais conveniente para chegar ao destino, enquanto 34% escolhe deslocar-se de avião, uma percentagem superior à média europeia que se situa nos 22%”.

Por outro lado, quanto ao “passaporte digital de viagem, cerca de 88% dos portugueses refere que deve incluir políticas de proteção de dados e de privacidade e 85% acredita tratar-se de uma iniciativa que facilita as viagens internacionais, assim como une governos e empresas em torno de um formato universal”, diz a Europ Assistance.

O 20.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance foi realizado pela Ipsos, através de um inquérito online a 14.000 indivíduos na Europa (França, Alemanha, Itália, Áustria, Bélgica, Espanha, Polónia, Portugal, República Checa, Suíça e Reino Unido), na Ásia (China e Tailândia) e nos EUA, entre 05 e 20 de maio, com amostras nacionais representativas de 1.000 pessoas por país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Margarida Maria
    18 jun, 2021 Gonçalves Fernandes 09:03
    Estou muito desgostosa com a situacao Covid -19 neste pais .Poraue nao tomar medidas mais enegicas contra esses tarados que nao respeitam a saufd deles quanto mais a dos outros .Andam uns a vacinarem-se para ver se isto acaba e uma cambada de tarados a por em caausa a luta. Eu estou exausta com a situacao em 14 meses nao sei o que e dar um passeio disyrair-me viver. Sim porque nao tenho carro. Multas maiores sei lá isolem esses anormais. Eu ja gomei as 2 doses da vacina . Porque nao agarrar nesses inconsequentes e isola-los da populacao vacinada trata-los e serem controlados todos os dias. prendam-nos impecam-nos de continuar a prejudicar os ouyros e dar o mau nome ao pais.Fazer com a Europs pense que em Portugal nao ha limites por fávor Ja agora avancem com as vacinas para as faixas etaria que ainda nem a 1a dose. protejam a maior parte da populacao embora tenhamos de usar as mascaras e mxnter o distanciamento desses inconscientes que acabam por ser uns criminosos.pensem nisto. A mao tem de ser pesada ou nunca mais acabamos com este terror.

Destaques V+