Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

22 abr, 2021 - 18:14 • Lusa

Presidente do Benfica será ouvido no Parlamento por ser um grande devedor do banco através da empresa Promovalor.

A+ / A-

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, pediu o adiamento da audição na comissão de inquérito ao Novo Banco devido a uma consulta médica, inquirição que ocorrerá por ser um grande devedor do banco através da empresa Promovalor.

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira "pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem".

No arranque da audição de hoje, Fernando Negrão deu conta das tentativas de agendamento a audições a grandes devedores do Novo Banco, revelando que relativamente a João Gama Leão, da Prébuild, e Nuno Vasconcellos, da Ongoing, os serviços do parlamento não conseguiram obter os contactos.

"A informação - embora genérica - que temos é que estarão ambos no Brasil e não se conhece localidade nem morada onde poderão estar", disse o presidente da comissão, pedindo aos grupos parlamentares informação acerca do paradeiro dos empresários, caso a tenham.

Já relativamente a António Barão, Fernando Negrão disse que "é notório que o senhor António Barão está a querer fugir à notificação que queremos fazer para estar presente".

"Não temos ainda a resposta do senhor António Barão. Foram feitas as seguintes diligências: foi remetido por e-mail em convocatória, e ontem enviado um e-mail de insistência sem qualquer resposta. Foi enviada carta com aviso de receção para o domicílio, tendo a mesma sido recebida por uma senhora dona Catarina Barão", explicitou Fernando Negrão.


O presidente da comissão prosseguiu, dizendo que "foi feito um contacto telefónico com a associação Parlatório, onde existia a informação a que pertencia, tendo sido obtida a informação que o senhor António Barão tinha acabado de sair".

"Foi também solicitado o contacto à Anchorage Capital Group sem qualquer resposta", acrescentou Fernando Negrão, que descartou assim a realização de uma audição na sexta-feira a António Barão por falta de confirmação de presença.

Segundo o presidente, na próxima semana estão marcadas as audições a Nuno Gaioso Ribeiro, de C2 Capital Partners, e a Bernardo Moniz da Maia, do grupo Moniz da Maia, para as datas indicativas de 29 e 30 de abril, devendo ser antecipadas.

Na semana passada, Fernando Negrão já tinha adiantado à Lusa que os grandes devedores do Novo Banco iriam começar a ser ouvidos na última semana de abril.

Entre os nomes a ser ouvidos estão o de Luís Filipe Vieira da Promovalor (também presidente do Benfica) e Nuno Gaioso Ribeiro (C2 Capital Partners), Nuno Vasconcellos (Ongoing), João Gama Leão (Prebuild) e Bernardo Moniz da Maia.

Tal como a Lusa já tinha noticiado em 16 de abril, a participação na comissão de inquérito ao Novo Banco do presidente do Conselho de Administração da C2 Capital Partners, Nuno Gaioso Ribeiro, prende-se "em exclusivo" com o facto desta empresa gerir um fundo que adquiriu créditos ao banco, garante a sociedade.

Entre os grandes devedores do Novo Banco encontram-se ainda a Martifer, o construtor José Guilherme, ou o empresário José Berardo.

"Algumas destas pessoas já foram contactadas e demonstraram total disponibilidade. Já com outros o contacto está a ser difícil, mas contamos que será levado a bom porto", disse então o social-democrata Fernando Negrão à Lusa.

[notícia atualizada - Nuno Gaioso Ribeiro é apenas presidente do conselho de administração da C2 Capital Partners e está no processo dada a empresa gerir um fundo que adquiriu créditos ao Novo Banco.]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+