Tempo
|
A+ / A-

Vítor Bento: Capital do Novo Banco estava “demasiado à pele”

23 mar, 2021 - 17:10 • Sandra Afonso , com redação

O primeiro presidente do Conselho de Administração do banco disse no parlamento que não teria aceite o cargo se conhecesse as contas antes.

A+ / A-

O antigo presidente do Conselho de Administração do Novo Banco, Vítor Bento, queixou-se esta terça-feira que da falta de capital na instituição quando assumiu o cargo.

Na comissão de inquérito do Novo Banco, Bento afirmou que o capital do banco estava "estava demasiado à pele".

"A sensação, e era o que nos diziam, o capital dotado estava demasiado à pele. E o facto de ter um capital demasiado à pele era negativo para os ratings do banco, o que tinha uma influência negativa na avaliação que as contrapartes faziam da própria atividade do banco e do risco que o banco representava para essas contrapartes", contou Vítor Bento.

A queixa do economista veio repetir o que já tinha dito na anterior audição parlamentar o ex-administrador João Moreira Rato, que afirmou que o banco precisava de mais de três mil milhões de euros e que os 4,9 mil milhões inicialmente injetados no Novo Banco eram insuficientes.

Questionado pela deputada do CDS-PP, Cecília Meireles, Vítor Bento referiu ainda que todos os problemas reportados antecipadamente pelo regulador, foram minimizados, incluindo o diferendo com Angola.

"Havia a possibilidade de haver um outro problema adicional associado à carteira de Angola, mas o Banco de Portugal e o Banco de Angola estavam em negociações muito bem encaminhadas e isso permitia esperar que esse problema também fosse resolvido, que não viria a ser fonte de preocupação. Mesmo que viesse a ser fonte de preocupação, estaria disponível a linha de recapitalização pública para sanar qualquer insuficiência que daí pudesse haver", mencionou o antigo presidente da instituição.

Vítor Bento foi também questionado sobre o porquê de terem sido travados os contactos com Carlos Costa, na altura o governador do Banco de Portugal, logo após a história resolução de 3 de agosto de 2014, que permitiu manter o banco em pé, e o economista atribuiu a paragem do diálogo às férias do governador.

"O interlocutor principal era o senhor governador. Nas primeiras semanas após a resolução, tivemos muito pouco contacto direto com o senhor governador porque ele, entretanto, tinha ido de férias - o que era compreensível, tinha sido um período muito desgastante para ele - e nós só voltamos ao contacto com o senhor governador no dia 20 de agosto", contou.

O ex-presidente do Conselho de Administração do Novo Banco também recordou quando assumiu a liderança do projeto e disse ainda que assumiu a liderança sem conhecer as contas, dado que a auditoria só seria apresentada mais tarde. Se as conhecesse antes, não teria aceite o cargo, admitiu.

Vítor Bento esteve no Banco Espírito Santo e no Novo Banco entre julho e setembro de 2014, substituindo Ricardo Salgado e ficando à frente do recém-nascido banco durante essa fase de resolução.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+