Tempo
|
A+ / A-

Lisboa e Porto perdem quase cinco mil casas de alojamento local

11 mar, 2021 - 11:14 • Cristina Nascimento

Lisboa deu o principal contributo para esta retirada, com cerca de menos 3.100 fogos em atividade, revelam dados divulgados pela Confidencial Imobiliário.

A+ / A-

Lisboa e Porto perderam quase cinco mil casas de alojamento local, no quarto trimestre de 2020.

Segundo a Confidencial Imobiliário, observou-se uma "saída de atividade de 4.690 fogos no conjunto das duas cidades face a igual período do ano anterior", considerando tratra-se de "uma queda expressiva".

Esta empresa especializada em informação do setor acrescenta que concluiu que "Lisboa deu o principal contributo para esta retirada, com cerca de menos 3.100 fogos em atividade". Segundo a Confidencial Imobiliário, a capital tem agora cerca de 2.750 apartamentos T0/T1 ativos no alojamento local.

A maioria dos fogos retirados do circuito de oferta localiza-se em Santa Maria Maior e na Misericórdia, sendo que na freguesia de Santa Maria Maior há agora cerca de mil unidades de alojamento local (menos 770) e na Misericórdia há 620 unidades (antes eram 1.250).

No Porto, restam 2.550 T0/T1 dedicados ao alojamento local, tendo saído desta atividade quase 1.600 (1.590).

"Mais de 70% dos fogos que saíram do circuito de atividade na cidade entre os dois períodos localizam-se na União de Freguesias do Centro Histórico. O atual stock de unidades ativas nesta freguesia ronda os 2.110 fogos, menos 1.150 do que as 3.265 contabilizados no 4º trimestre de 2019", remata o comunicado.

Questionado sobre se considera possível o regresso destas unidades ao serviço do alojamento local, Ricardo Guimarães, diretor da Confidencial Imobiliário, coloca algumas reservas.

“Já em 2019 fizemos um estudo que apontava para a transição de unidades de alojamento local para o arrendamento residencial. Agora, com o congelamento do mercado turístico, essa tendência poderá acentuar-se”, explica à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+