Tempo
|
A+ / A-

Rui Moreira sugere intervenção do Governo na refinaria de Matosinhos

25 fev, 2021 - 18:15 • Lusa

O presidente da Câmara do Porto ouviu as reivindicações dos trabalhadores da refinaria da Galp em Matosinhos, que vai ser encerrada este ano.

A+ / A-

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira questionou hoje se não seria razoável o Governo intervir no encerramento da refinaria da Galp em Matosinhos, depois de ajudar a TAP com 1.500 milhões de euros.

"O que pergunto é se é razoável ajudar a TAP com 1.500 milhões de euros para manter uma operação que, neste momento, por razões conjunturais, não é sustentável, não seria que o Governo também deveria intervir nesta matéria [fecho da refinaria] para garantir a falha de mercado e não perdermos esta capacidade", perguntou o autarca independente, enquanto ouvia os trabalhadores do complexo petroquímico que se manifestaram frente à autarquia.

Cerca de uma centena de trabalhadores concentraram-se esta quinta-feira frente à Câmara do Porto para contestar o anunciado encerramento da refinaria de Matosinhos, no distrito do Porto, pedindo respeito pelos seus direitos.

Depois de um protesto frente à Câmara Municipal de Matosinhos e, posteriormente, frente à sede da Galp e residência do primeiro-ministro, em Lisboa, foi a vez de "se fazerem ouvir" no Porto.

Pouco depois de a concentração ter começado, Rui Moreira foi ter com os trabalhadores para lhes dizer que as suas preocupações são legítimas, mas que não pode haver da sua parte uma "ingerência".

O autarca frisou que a refinaria da Galp, sendo algo muito importante para a região, está localizada em Matosinhos e sedeada em Lisboa, devendo por isso agir "prudentemente" quanto a esta matéria.

Revelando ter falado com a autarca de Matosinhos na quarta-feira à noite, Moreira referiu que aquela autarquia está empenhada a tratar desta questão.

"A diplomacia que a Câmara do Porto tem de fazer relativamente a um equipamento muito relevante para a região, mas que não está na cidade do Porto, tem de ser feito com respeito pelos autarcas vizinhos", vincou.

Da sua parte, disse aos trabalhadores, tem feito os contactos que precisam de ser feitos, tendo nomeadamente já falado com a administração da empresa.

O independente referiu que os trabalhadores não vão conseguir convencer ninguém de que a empresa está a tomar uma medida que é má para si própria.

"Se a situação é estrutural não há nada a fazer, daqui a dez anos não vai haver produção de refinarias nem aqui [Norte], nem em Sines", sublinhou.

Contudo, se for uma questão conjuntural "seria bom que o Governo pensasse que o auxílio que deve dar a empresas em dificuldade".

"Não deve ser só à TAP, porque há empresas que, por acaso, não estão em Lisboa e que por causa de verbas ínfimas conseguiriam durante algum tempo manter a sua produção", afirmou.

A Galp anunciou em dezembro de 2020 a intenção de concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos este ano.

O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+