Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Plano de resiliência

Costa quer responder a problemas imediatos e fazer reformas ao mesmo tempo

22 fev, 2021 - 07:00 • Eunice Lourenço

O primeiro-ministro lança esta segunda-feira dois vídeos para promover o debate sobre o programa de recuperação e resiliência com enfoque nas reformas estruturais e nas três áreas em que quer que Portugal se torne mais forte.

A+ / A-
Costa promove debate sobre o programa de recuperação e resiliência
Costa promove debate sobre o programa de recuperação e resiliência

O primeiro-ministro lança esta segunda-feira dois vídeos para promover o debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência.

“Responder à crise de hoje com os olhos postos num país de futuro” - é o que o Governo pretende com o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) que foi colocado em discussão pública na semana passada e que vai ser debatido nos próximos dias com parceiros sociais.

“Aquilo que queremos fazer com o programa de recuperação é responder aos desafios imediatos da reanimação económica e da criação de emprego, resolvendo simultaneamente problemas estruturais que se arrastam há anos no país”, afirma o primeiro-ministro num dos vídeos lançados nesta segunda-feira para promover o plano e o debate.

E o primeiro exemplo que dá é, precisamente, o da Saúde, onde promete “reforçar mesmo o SNS de proximidade, cuidados continuados, cuidados paliativos, saúde mental, meios de diagnóstico nos cuidados de saúde primários”.

Outro exemplo é o das qualificações, com a promessa de “investir muito seriamente na formação profissional, na qualificação e requalificação dos trabalhadores para melhorar as qualificações gerais do país”.

Num dos vídeos divulgados esta segunda-feira, o primeiro-ministro também salienta como o PPR pretende estimular o desenvolvimento do interior. “Por isso, a prioridade que demos a criar boas áreas de localização empresarial, dotá-las de bons acessos, abrir cinco novas ligações transfronteiriças com Espanha para aproximar o nosso interior do coração do mercado ibérico”, acrescenta António Costa.

No primeiro vídeo de promoção, o primeiro-ministro começa por salientar que o PRR não esgota as ajudas europeias dos próximos anos – pelo contrário, é um programa muito curto e direcionado, pelo é preciso “identificar bem os projetos que são exequíveis até 2026 e que, simultaneamente, possam ter o impacto imediato na reanimação da economia e do emprego, mas tenham também um potencial de reforma estrutural do país, resolvendo problemas estruturais com que convivemos um excesso de tempo”.

Ou seja, os quase 14 mil milhões do PRR devem dar resposta a problemas imediatos relacionados com a pandemia de Covid-19 e, ao mesmo tempo, fazer reformas estruturais.

Aliás, a questão das reformas será muito importante na avaliação que a Comissão Europeia fará dos planos propostos por cada Estado-membro. Daí também que o primeiro-ministro insista tanto na palavra nestes vídeos, em que salienta a importância do PRR para “aumentar a resiliência” de Portugal.

“No nosso caso, escolhemos três áreas para nos tornarmos mais fortes: enfrentar as principais vulnerabilidades sociais, aumentar o nosso potencial produtivo e reforçar a nossa coesão territorial”, enumera o primeiro-ministro.

Essas são as três grandes áreas pelas quais se distribuem as 36 reformas e 77 investimentos que estão agrupados no que o executivo chama de “componentes” e que são 19.

Como será executada "bazuca europeia"? A explicação do primeiro-ministro
Como será executada "bazuca europeia"? A explicação do primeiro-ministro
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    22 fev, 2021 Lisboa 12:05
    Isto não vai passar de blá blá. Este chefe do (des)Governo está refém dos comunistas e do BE. Por isso, nada será feito para o crescimento da economia. Continuará a distribuir-se com dinheiro emprestado. As reformas essenciais ficarão por fazer e Portugal continuará na cauda da Europa.
  • Americo Anastacio
    22 fev, 2021 Leiria 07:26
    Reformas ? Agora ? Não. Reformas era quando havia algum dinheiro poupado e este sr. andou a queima-lo para se manter no governo. IRRESPONSÁVEL E INCOMPETENTE.

Destaques V+