Tempo
|
A+ / A-

Bitcoin atinge máximo histórico de mais de 50.000 dólares

16 fev, 2021 - 17:44 • Lusa

Alguns desconfiam da volatilidade deste mercado descentralizado, que não se apoia em quaisquer ativos, mas outros acreditam que a situação é bastante diferente de 2017, quando os preços tinham subido com o mesmo entusiasmo antes de caírem no início de 2018.

A+ / A-

O preço da Bitcoin ultrapassou esta terça-feira os 50.000 dólares, um máximo histórico, devido ao interesse de grandes bancos e empresas como a Tesla.

Por volta das 12h35 TMG (mesma hora em Lisboa), a Bitcoin subiu para 50.547,70 dólares, um máximo histórico.

Posteriormente, a Bitcoin recuou cerca das 12h55 TMG para 49.505,35 dólares, mais 2,7% que no início da sessão e mais de 70% desde o início do ano.

Depois de um desempenho vertiginoso em 2020, a Bitcoin viu o valor quintuplicar no espaço de um ano.

Mas enquanto alguns observadores do mercado desconfiam da volatilidade deste mercado descentralizado, que não se apoia em quaisquer ativos, outros acreditam que a situação é bastante diferente de 2017, quando os preços tinham subido com o mesmo entusiasmo antes de caírem no início de 2018.

"O crescente interesse comercial nas criptomoedas transformou o mercado em relação a 2017", disse Neil Wilson, analista da Markets.com, à AFP.

Na semana passada, o fabricante de carros elétricos Tesla surpreendeu ao anunciar que tinha investido 1.500 mil milhões de dólares do seu dinheiro em Bitcoin.

O patrão de Tesla e o homem mais rico do mundo, Elon Musk, não hesita em exaltar os méritos das criptomoedas nas redes sociais.

Esta terça-feira, o grupo MicroStrategy, uma empresa americana de 'software' de tamanho médio que no final de 2020 apostou maciçamente em investir na Bitcoin, para permitir aos investidores de Wall Street apostarem na criptomoeda através da compra das suas ações, anunciou um levantamento de fundos de 600 milhões de dólares "para comprar Bitcoin".

Além disso, grupos bancários e financeiros estão cada vez mais interessados na Bitcoin: na semana passada, o banco mais antigo de Wall Street, BNY Mellon e a MasterCard, sucederam-se ao gigante BlackRock ou ao serviço de pagamento Paypal, que anunciaram todos novos projetos sobre criptomoedas nos últimos meses.

No entanto, não há unanimidade no mercado das criptomoedas: vários banqueiros centrais, como Andrew Bailey no Reino Unido, excluíram a ideia de considerar a Bitcoin como uma moeda por direito próprio, ou mesmo como "ouro digital" a ser utilizado para preservar a riqueza.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+