Tempo
|
A+ / A-

CEO da TAP duplica salário e passa a ganhar 35 mil euros brutos por mês

29 dez, 2020 - 11:10 • Redação

Também Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP SA e da TAP SGPS, foi aumentado. A revisão estará relacionada com novas funções assumidas na Portugália e na TAP SGPS. Bloco questiona Governo sobre aumento dos salários.

A+ / A-

Ramiro Sequeira, com a passagem a CEO interino da TAP, passou a auferir 35 mil euros brutos por mês. Um valor que é quase o dobro do que o gestor ganhava no cargo anterior de Chief Operating Officer (COO). A notícia foi avançada pelo jornal económico ECO.

Ainda assim, e mesmo com este aumento, Sequeira fica abaixo da remuneração do antecessor Antonoaldo Neves.

O mesmo jornal avança que o aumento foi decidido em outubro pela Comissão de Vencimentos da TAP, onde o Estado não está representado, e começa a ser pago agora. No entanto, o ECO noticia que o Governo teve conhecimento do aval às alterações.

Mas o CEO interino não foi o único a receber um aumento. Também Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP SA e da TAP SGPS, passou a ganhar 13,5 mil euros brutos por mês (14 vezes ao ano) face aos anteriores 12 mil euros.

Neste caso, a revisão estará relacionada com novas funções assumidas na Portugália e na TAP SGPS, devido à saída de Humberto Pedrosa.

Há ainda Alexandra Vieira Reis, que já era diretora da TAP e auferia14 mil euros mensais (12 mil euros fixos a que acresce um complemento salarial de dois mil euros). A entrada na comissão executiva valeu-lhe uma atualização salarial, com a sua quase duplicação, para os 25 mil euros por mês.

Esta revisão foi feita antes de o Governo enviar a Bruxelas a proposta de plano de reestruturação da TAP, que é condição para o apoio público à companhia aérea. Omesma prevê que os trabalhadores da TAP terão reduções salariais de 25%, no âmbito do plano de reestruturação, ficando isentas de corte as remunerações base até 900 euros.

Nas interpelação que coloca ao Governo, os bloquistas afirmam que "não é demais lembrar que o plano de reestruturação da empresa proposto pelo Governo é duríssimo no que toca ao número de despedimentos e prevê, também, uma redução salarial significativa, que na altura foi apresentada como sendo transversal a toda a companhia". "No entanto, o aumento de salários desta monta no Conselho de Administração vem contrariar essa decisão", acrescentam.

Segundo o BE, "não é compreensível ou aceitável" que se estejam a prever cerca de 2000 despedimentos e reduções salariais de 25% aos trabalhadores e, ao mesmo tempo, se decidam subidas salariais na administração.

"O plano que está a ser imposto aos trabalhadores terá consequências sociais altamente prejudiciais para milhares de trabalhadores e respetivas famílias, sem referir que a empresa corre o risco de ficar diminuída a tal ponto que possa vir a ter muita dificuldade no momento de retoma da sua atividade", conclui o Bloco.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nelson Tomé
    29 dez, 2020 Charneca de Caparica 14:14
    Então o salario que auferiam era pouco? E aqueles que menos ganham sofrem cortes? Numa empresa em dificuldades? Assim é fácil gerir, com dinheiro que não é deles, só gatunos no nosso Pais com a conivência dos Srs. Políticos!! VERGONHA!!!!!!!
  • Ivo Pestana
    29 dez, 2020 Funchal 14:05
    Nada de novo, sempre ganharam acima da média...
  • José J C Cruz Pinto
    29 dez, 2020 Ílhavo 12:50
    É também para continuar esta pouca-vergonha que o Estado socorre a TAP? Não será possível recrutar melhores gestores (verdadeiramente, o principal) por menos dinheiro? Que têm eles de assim tão especial (de corrida) relativamente à mediocridade gritante da generalidade da gestão empresarial portuguesa? Por que não serem descontados sempre que a empresa tenha prejuízos, e enquanto o Estado lá tiver que injectar capital? Não nos venham com a história de que lá fora é o que aufere o mesmo tipo de gestores, porque não é lá que vão trabalhar nem viver. E, se aqui não estão bem, emigrem, porque não farão cá falta absolutamente nenhuma!
  • EU
    29 dez, 2020 PORTUGAL 12:43
    Não sou acionista da TAP. Não viajo em avião algum. Sou apenas um cidadão e um SER HUMANO. Perante o que se PASSA na TAP apetece-me dizer a estes DESUMANOS que um dia virá e aí ELES e ELAS deixarão de ser o que aqui SÃO ou pensam que são. A CULPA não é deles nem delas. A culpa é dos MENTIROSOS que nos (DES)GOVERNAM. Um dia serão MATÉRIA. Sejam HUMANOS.
  • Petervlg
    29 dez, 2020 Trofa 12:24
    Devemos agradecer ao BE, PCP e PS, por enterrar dinheiro dos contribuintes.

Destaques V+