Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Ministro da Economia diz que sucessão do "lay-off" não pode assentar nos cortes de salários

02 jun, 2020 - 15:03 • Liliana Monteiro

Siza Vieira considera que o nível de rendimentos baixos não é compatível com arranque desejado para empresas e empregos.

A+ / A-

Veja também:


O ministro de Estado, Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, considera que a sucessão do "lay-off" não se pode fazer com cortes salariais e que o nível de rendimentos baixos não é compatível com o arranque que se quer para empresas e empregos.

"O sucessor do 'lay-off' não pode assentar no nível de cortes de salário que agora temos. Temos de evoluir, reconhecendo que as empresas estão a fazer esforço para crescer, mas não pode ser feito à custa de salários, como temos assistido até aqui", afirmou o ministro da Economia, esta terça-feira, no Parlamento, assegurando que, "nesta fase de transição, o apoio ao emprego vai ser mesmo apoio ao emprego".

Siza Vieira explicou que o Governo se prepara para aprovar o plano de estabilização económica e social, "que assenta em quatro pilares: institucional, apoio às empresas, apoio ao emprego e social".

"Obviamente, estes apoios têm de ter atenção ao regimento dos trabalhadores no 'lay-off'. Até agora, seguimos as regras do código do trabalho, dois terços do salário, nos próximos meses é preciso apoiar a retoma da atividade com um nível de retribuição que não pode assentar num corte tão significativo nos rendimentos dos trabalhadores. O objetivo é assegurar que, na retoma, as empresas continuam a ter capacidade de crédito", explicou o ministro da Economia.

Esta é a "fase de estabilizar e ajudar as empresas a ficarem vivas". Mais tarde, virá a fase de recuperação, de acordo com o governante.

O desemprego subiu para 6,3% em abril, mas o ministro admite que "os números provisórios apontam para que o ritmo do desemprego tenha diminuído em maio, tendo em conta os inquéritos das empresa".

"O índice de emprego e horas trabalhadas melhoraram em maio em relação a abril", garantiu Siza Vieira, que considera que as contas são "menos más" do que se esperava há um mês, no pico da pandemia.

Insolvências vão aumentar


O ministro da Economia assumiu que ainda não tem dados sobre o impacto da pandemia do novo coronavírus nas empresas, em particular no fecho de portas e dificuldades sérias de muitas delas.

"Não temos números da justiça para perceber insolvências, que é certo que vão aumentar. Havia empresas já em dificuldades antes da pandemia e os apoios não estavam aptos a empresas que já estavam em dificuldades. Admito, por isso, que essas que já estavam em situação má agora estejam em insolvência", admitiu Pedro Siza Vieira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+