Tempo
|
A+ / A-

​Coronavírus

Ria de Aveiro. Covid-19 acaba com exportação de bivalves para Espanha e ganha-pão de mariscadores

01 abr, 2020 - 23:25 • Júlio Almeida

Associação que representa a pequena pesca diz que é hora do Governo dar a ajuda que prometeu para subsistência.

A+ / A-

Veja também:


A situação pandémica em Espanha, o maior consumidor dos bivalves criados em Portugal, deixou os mariscadores da Ria de Aveiro sem grande parte do trabalho que tinham e as perspetivas de retomar a atividade não têm prazo.

Num cenário agravado pela baixa do preço do peixe colocado na primeira venda em lota, a associação que representa a pequena pesca diz que é hora do Governo dar a ajuda que prometeu para subsistência.

Sobreviver era já uma palavra muito usada por quem enfrenta todos os dias a escassez de recursos, com as consequentes limitações de pesca, e a precaridade laboral, mas nunca fez tanto sentido como agora.

Arriscam-se coimas a vender peixe, nesta altura “é a época do choco”, em voltas discretas 'porta a porta', a chamada 'fuga à lota', para recuperar algum rendimento, pouco que seja.

“Algum vai para a arca, fica congelado, outro vende-se pelas portas, não podemos ir de propósito à Docapesca em Aveiro gastar em gasolina o pouco lucro”, contou um pescador que tem a família também no marisco, pedindo anonimato.

O berbigão, que era quase todo exportado para o país vizinho, praticamente deixou de ser apanhado na Ria de Aveiro. “Nesta altura, os compradores não conseguem passar para Espanha. Estamos completamente parados”, acrescentou.

Este relato da aflição que se vive na praia da Torreira, na Murtosa, é comum a outras localidades piscatórias abaladas já pela falta de clientes de proximidade, como restaurantes ou as vendas a retalho nos mercados.

João Lopes, que preside à Associação da Pesca Artesanal da Região de Aveiro, pede urgentemente a ajuda “prometida pelo Governo” para um sector composto por pessoas que trabalham 'por conta própria'.

“Pediram-nos por favor para não pararmos, esperarmos que iam apoiar mas apoios, para já, zero. O que nos disseram foi usar o rendimento mínimo para quem voluntariamente suspendesse a atividade um mês ou dois, mas não saiu nada disso. As nossas gentes precisam do dinheiro é agora, não daqui a uns meses, como acontece com os subsídios de defeso ou de proibição por toxinas”, referiu o pescador e dirigente associativo.

Existem quase 400 embarcações dedicadas à pesca tradicional na região de Aveiro e muitos outros pescadores profissionais que ficaram nos últimos meses sem rendimentos. Centenas de famílias dependem da pesca tradicional, entre a Torreira e Ílhavo.

A APARA é uma Organização de Produtores que representa 95 por cento da atividade de pesca do Porto de Aveiro. Movimenta mais de três mil toneladas de bivalves capturados nas águas da Ria de Aveiro, representando um valor aproximado, no destino final, dos oito milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+