Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Coronavírus e o impacto na restauração. "Precisamos é de apoio à tesouraria e de rapidez"

19 mar, 2020 - 23:46 • Pedro Mesquita

Associação da hotelaria e restauração diz que Governo não fez o suficiente perante impacto da pandemia de coronavírus no setor. Há "falta de liquidez" e "é preciso acautelar que os trabalhadores não são dispensados", alerta AHRESP.

A+ / A-

É preciso acautelar que os trabalhadores da restauração não são dispensados, porque vamos precisar deles daqui a uns tempos. Não só isso: neste momento as empresas do setor estão com "falta de liquidez" e precisam de medidas concretas de "apoio à tesouraria". É o que alerta a secretária-geral da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal em entrevista à Renascença.

Perante a gravidade da situação das empresas do setor, a AHRESP diz que o Governo fez a opção que se esperava, mantendo a restauração aberta, mas sublinha que é preciso mais.

"Sempre dissemos que deveríamos acautelar que os estabelecimentos pudessem continuar a trabalhar num regime de take-away, entregas ao domicílio ou drive-in, que deveriam ser incentivadas a fazê-lo e foi isso que aconteceu, mas isso não resolve o problema", defende Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP.

"O sufoco dos nossos empresários, se já era muito, ainda se intensificou, porque muitos dos estabelecimentos não terão condições para continuar a fazer este tipo de serviços e vão estar mesmo encerrados e isso é um drama. O que temos feito, trabalhando muito de perto com o Governo, numa atitude de grande responsabilidade e seriedade, é procurar as respostas essenciais para que as empresas possam assegurar os seus compromissos e obrigações para com os trabalhadores."

Até porque, destaca Ana Jacinto, "é preciso acautelar que estes trabalhadores, que vão ser precisos daqui a uns tempos, possam não ser dispensados”.

Acima de tudo, as empresas precisam de liquidez e, nesse sentido, a secretária-geral da AHRESP apela ao Governo que seja rápido na ação e que os apoios sejam ágeis.

“Precisamos é de apoio à tesouraria, de medidas concretas. É isso que temos dito ao Governo. Acaba de ser disponibilizada, pelo Turismo de Portugal, uma medida importante: um apoio direto às empresas num valor de 750 euros por colaborador, num período de três meses, com uma dotação máxima por empresa de 20 mil euros."

Este é um "um apoio importante", refere Ana Jacinto, "porque é um apoio direto e automático, ao contrário de todos os outros apoios da tesouraria, que foram avançados, cujo intermediário é a banca e as linhas ainda não estão estruturadas e disponíveis."

"Acreditamos que da parte do Governo há essa preocupação mas tem de haver rapidez. Estas linhas que vão ser estruturadas não podem ser muito complexas, inacessíveis, porque estamos a falar de um tecido empresarial muito micro. Precisamos de linhas muito ágeis, muito flexíveis e muito rápidas, sob pena de existirem as linhas, existir o dinheiro que foi anunciado mas, depois, não serve para nada porque não chega às empresas."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+