Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Empréstimo a Berardo. Supervisores têm de "explicar e justificar" decisões

07 jun, 2019 - 11:20 • Redação

Governador do Banco de Portugal aprovou, em 2007, um crédito de 350 milhões dado pela Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo.

A+ / A-

O secretário de Estado das Finanças considera que os supervisores têm de explicar e justificar as decisões que tomam.

Ricardo Mourinho Félix reage à notícia do jornal “Público”, que dá conta da autorização de Vítor Constâncio para a operação de empréstimo da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo, quando exercia o cargo de governador do Banco de Portugal.

O governante começou por dizer que desconhece o caso, mas afirmou que “as decisões dos supervisores têm de ser justificadas, explicadas e percebidas” em relação ao porquê de terem sido foram tomadas dessa forma.

“Os supervisores são independentes e têm liberdade para decidir naquilo que é o melhor interesse do país e é isso que esperamos que façam”, sublinhou.

O governante falava aos jornalistas, no Parlamento, onde esteve no plenário a apresentar a proposta de lei que cria e regula o funcionamento do Sistema de Supervisão Financeira. “Esta proposta reforça a cooperação institucional para que essas decisões sejam tomadas em conjunto e, não de forma individual, sem ter presente o impacto que uma decisão de um supervisor relativa a um mercado possa ter em relação a outros mercados.”

Durante esta sessão, Ricardo Mourinho Félix ouviu críticas da esquerda à direita à proposta de lei que cria o sistema de supervisão financeira, mas assumindo que ainda espera que o Parlamento possa viabilizar o diploma nesta legislatura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+