Tempo
|
A+ / A-

Horta Osório alerta para os perigos da dívida portuguesa

30 mar, 2019 - 23:30 • Marina Pimentel

Horta Osório diz que o sector bancário português melhorou muito, embora tenha ainda um problema com o crédito malparado.

A+ / A-

António Horta Osório, português que dirige o Loyds um dos quatro maiores bancos de Londres, alerta para os riscos que corre a economia portuguesa, por causa do endividamento do país.

Horta Osório diz que o sector bancário português melhorou muito, embora tenha ainda um problema com o crédito malparado.

No entanto, o gestor defende que grande risco que a economia portuguesa corre tem de ver com o endividamento do país, como um todo, dívida pública e dos particulares, que somada atingia os 293% do PIB no último ano.

A situação pode deixar de ser sustentável, se como tudo indica, as taxas de juro subirem para cerca de dois por cento, num prazo de cinco anos.

“Nós estamos a viver num contexto de taxas de juro muito baixas, e portanto não é difícil atuar num quadro de uma dívida muito alta, mas se pensarmos que o Banco Central Europeia tem o objetivo de inflação de 2%, ninguém deve apostar contra o BCE, porque quando isso acontecer a taxa de juro irá chegar a esse valor”, disse o banqueiro numa sessão organizada pelo CDS-PP, em Lisboa, que encerrou a iniciativa "Ouvir Portugal"..

A dívida total portuguesa é maior do que a italiana ou do que a espanhola.

O diretor-executivo do Lloyds Bank pede ambição a Portugal, e defende que não chega crescer os 2% da média europeia.

Horta Osório pede ainda consenso e estratégia entre todos os partidos para Portugal enfrentar o grande desafio demográfico que tem pela frente.

O país precisa de aumentar a taxa de natalidade, trazer de volta os jovens quadros que saíram do país e atrair imigração de uma forma inteligente. Caso não o faça, em 2045 Portugal terá um reformado por cada trabalhador no ativo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+