Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Deco responde

Dicas para quem está a pensar comprar carro

03 set, 2016 - 14:46

Todas as semanas, a Renascença e a Deco dão-lhe dicas e conselhos práticos sobre situações do dia-a-dia. Se tem alguma sugestão ou gostaria de ver algum assunto esclarecido escreva para online@rr.pt

A+ / A-

Veja também:


Se está a pensar comprar um automóvel, há vários aspectos a ter em atenção para que o fardo não fique pesado demais e para não ir além das possibilidades que as finanças domésticas de cada um permitem. Existem várias modalidades de crédito e truques para baixar custos.

Cuidados no recurso no crédito ao consumo – comprar um automóvel

A decisão de adquirir um carro só deve ser tomada depois de ponderar o seu custo no orçamento familiar. Deve ter em conta que para além do preço de compra, existem encargos com a sua manutenção que podem também vir a pesar nas despesas familiares.

O carro pode ser pago a pronto pagamento ou com recurso ao crédito. Se decidir contratar um crédito para comprar um carro, faça bem as suas contas primeiro: o total das dívidas não deve ultrapassar 35% do rendimento mensal líquido. Se possível junte uma boa parte do dinheiro antes de avançar com o empréstimo. Além de reduzir o seu nível de endividamento, poderá obter condições de financiamento mais vantajosas.

Existem várias modalidades de crédito automóvel

O financiamento automóvel tem 3 modalidades: o crédito, o aluguer de longa duração e o leasing/locação financeira. Ainda antes de optar por uma delas, tem todo o interesse em negociar uma taxa de juro atrativa com o maior número de bancos possível, a começar por aquele em que tiver maior envolvimento.

Como escolher o crédito ao consumo?

Para escolher a melhor proposta, não se esqueça de utilizar a taxa anual de encargos efetiva global (TAEG), no crédito ao consumo, no caso da compra de automóvel, como principal indicador comparativo e a taxa anual efetiva (TAE), no crédito à habitação, e a taxa anual de encargos efetiva global (TAEG).

Sempre que o orçamento familiar permita, amortize (mesmo que parcialmente) o crédito. Assim, pagará menos juros. Mas tenha em conta eventuais penalizações bancárias.

Nos créditos pessoais contratados depois de 1 de julho de 2009, não há penalização se tiver taxa variável. Já nos de taxa fixa está fixada em 0,5%, se faltar mais de 1 ano para terminar o contrato, e em 0,25%, se faltarem menos de 12 meses. Nos empréstimos anteriores a julho de 2009, vigora a penalização indicada no contrato.

Truques para baixar os custos

Nem sempre o ALD e o leasing ficam mais baratos do que o crédi­to. O seguro de danos próprios, que aconselhamos até aos 4 anos do carro, é obrigatório nas primeiras modalidades. Se não tiver interesse, o crédito pode ficar mais barato.

As taxas máximas que as instituições anunciam podem baixar com negociação. Comece por esgrimir argumentos junto do seu banco. Anti­guidade, historial de bom cliente e produtos ou serviços contratados: use-os a seu favor. Se necessário, peça simulações noutras insti­tuições e apresente-as como trunfo. Se não conseguir baixar a taxa, considere contratar um crédito pes­soal. Por vezes, têm taxas competitivas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Duque
    04 set, 2016 Grã Bretanha 23:02
    Descobri há mais de dez anos a melhor informação do mundo sobre carros: a revista espanhola "AUTOFÁCIL". Com ela e por causa dela aprendi a comprar carro, a estimá-lo sem ser seu criado, a cconduzir especialmente na ddefensiva, as questões técnicas e a saber defender-me quando sou (raramente) autuado. Nas bancas depois do dia 21 de cada mês em Espanha e em Portugal depois do dia 2. Vale MESMO a pena ler e coleccionar. T
  • João P. Ferreira
    04 set, 2016 Lisboa 11:23
    A melhor dica que se pode dar a alguém que está a pensar comprar carro, é: não compre. O português médio trabalha metade do ano (370€ por mês, em 711€ que é o salário médio líquido) para pagar as despesas totais do seu carro. Elas são o seguro, o combustível, as revisões, reparações, possível crédito automóvel, desvalorização do veículo, lavagens, eventuais multas, IUC, portagens e parqueamento. Esse custo total ultrapassa muitas vezes os 500€ por mês, mas as pessoas não fazem essa contabilidade porque as contas que se pagam aparecem distribuídas pelo ano em diferentes parcelas. Faça você mesmo as suas contas em autocustos ponto pt e poderá ficar surpreso com o resultado final! Pense depois quanto ganha por mês e quantos meses tem de trabalhar para suster o seu carro!
  • Carlos
    03 set, 2016 Montijo 22:40
    Incrível, como um texto ainda relativamente grande não diz absolutamente nada. Nada que se aproveite, nada novo, nada que se possa dizer assim: Olha, boa ideia, não tinha pensado nisto...
  • CJ
    03 set, 2016 Matosinhos 21:53
    boa noite é interessante a ajuda para quem deseja comprar um carro com recurso ao crédito, no entanto seria razoável dar ajuda/dicas de como comprar efectuando pagamento grato pela atenção

Destaques V+