Tempo
|
A+ / A-

Caso Banif é “chocante e tem de ser explicado”, diz Horta Osório

22 dez, 2015 - 13:46

O mal está feito, considera o presidente do Lloyd’s Bank, mas os contribuintes merecem pelo menos que sejam apuradas responsabilidades.

A+ / A-

Veja também:


António Horta Osório, presidente do Lloyd’s Bank, está chocado com o caso Banif e diz que os contribuintes merecem uma explicação sobre o assunto.

À margem do Encontro Anual do Conselho da Diáspora, em Cascais, Horta Osório recordou que o dinheiro que os portugueses vão injectar no banco equivale a mil euros por família.

“O tema do Banif é um assunto chocante e tem de ser devidamente explicado. Sabia-se que o banco estava fragilizado há uns anos, recorreu à ajuda de uma linha europeia no valor de menos de mil milhões de euros entre capital e obrigações convertíveis”, explica. “Poucos anos depois chega-se à conclusão que os contribuintes têm de injectar mais cerca de o dobro desse montante, num total de cerca de três mil milhões de euros, o que significa mais de mil euros por cada família portuguesa.”

“Acho que este assunto é muito sério e tem de ser devidamente explicado", disse aos jornalistas.

O mal está feito, considera o banqueiro, mas os portugueses merecem pelo menos que se apurem responsabilidades. “Acho que deve ser feita uma auditoria independente que mostre aos contribuintes portugueses exactamente que negócios foram feitos que originaram esta situação no banco, que créditos foram concedidos que não foram pagos.”

“Dado que o mal está feito, os contribuintes merecem saber pelo menos com transparência e com rectidão exactamente o que aconteceu, que dinheiro foi utilizado e acho que isso deve ser feito o mais rapidamente possível”, afirma o presidente do Lloyd’s.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Helder Marques
    23 dez, 2015 Mem Martins 22:09
    Um pouco de ar fresco nesta trampa toda, foi o que o sr provocou, apurar responsabilidades e fundamentalmente "que créditos foram concedidos que não foram pagos", isto é importante mas os partidos políticos quando começarem a gritar uns com os outros, significará que a culpa morrerrá solteira e nós sem saber o que realmente aconteceu, é a sina dos contribuintes portugueses...pagar e calar...porque tudo istto foi para nosso bem.
  • rosinda
    22 dez, 2015 palmela 22:06
    300 euros cada portugues !Este 1000 por familia cada um diz o que se lembra.
  • José Silva
    22 dez, 2015 Paço de Arcos 21:56
    Espero que o PSD explique votando contra o orçamento rectificativo.
  • alex
    22 dez, 2015 lisboa 17:46
    Exm Sr você ainda se choca com alguma coisa neste pais das ananas e novelas e futeebool muito para estas tristes almas sentirem se bem com a imagem do que vêem e dizerem que casa tão linda,como andar de metro e só se ouve epá aqueles da quinta etc ....Não vale a pena estar aqui feito burro ,você vive noutro mundo ou esta a fazer se de santo com a surpresa e vamos la ver se ainda não á ainda outros frutos perdidos . Mas como sempre Sr surpresa quem vai pagar concerteza pagar mais uma vez a factura ai não tem surpresa nenhuma certo ou estou equivocado tanbem esta surpreso? Admirável mas não e o primeiro já ouve ministros que ficaram supresos por e ate em direito dizerem a sério o processo prescreveu..............Emfim
  • Joaquim
    22 dez, 2015 Alemanha 17:27
    Já é merenda de mais, uns a trás dos outros vai-se sabendo a gatunagem que existe no sistema bancário em Portugal. Arrepiante que até hoje, recebem reformas inadmissíveis e, ainda nenhum deles está atrás das grades.
  • PEDRO FERREIRA
    22 dez, 2015 ERMESINDE 17:21
    Eu não me importava de contribuir para um ordenado milionário para este Senhor. Este homem devia estar à frente do BDP. Devia ser feita uma "requisição civil" ao Lloyd's.
  • 22 dez, 2015 17:19
    Até que enfim que alguém num Português acessível a todos avance com o que de facto poderá ter acontecido: "negócios que foram feitos" ou que "créditos não foram pagos".
  • Paulo
    22 dez, 2015 vfx 17:05
    Não há dúvida que os melhores tachos nesta républica das bananas ou é ser politico ou ser banqueiro,nunca ninguém é responsável,nem responsabilizado e muito menos julgado e preso,só o Sócrates ficou preso mas não foi julgado e já está cá fora,e bem vistas as coisas,ele é um santinho em comparação com este desvario de 12 mil milhões que pagamos para a banca, e se calhar não vai ficar por aqui,a seguir será o montepio? o bpi? vamos esperar para ver.
  • lopes
    22 dez, 2015 lisboa 16:31
    até quando vão continuar a roubar o pais.
  • Lara
    22 dez, 2015 Lisboa 16:29
    E nós accionistas tb ficamos sem o nosso dinheiro? Como isto é permitido? Isto sim é roubar! Dêem-nos possibilidade de pelo menos reaver parte do nosso dinheiro! Deixem-nos negociar ou dêem-nos outras acções para podermos receber o nosso dinheiro! É inadmissível! Calam as pessoas pq dizem q protegeram os depositos, e as familias, e os trabalhadores, e n sei q.... e os outros? Nós accionistas tb n temos direito de sermos protegidos? Pq?

Destaques V+