Tempo
|
A+ / A-

Todos os depósitos do Banif estão garantidos, diz primeiro-ministro

15 dez, 2015 - 21:54

Já quanto ao dinheiro público investido na instituição bancária "dependerá muito da solução final", avisa António Costa.

A+ / A-

O dinheiro dos depositantes do Banif está garantido, mas o dinheiro dos contribuintes portugueses aplicado no banco depende da solução que for encontrada, afirma o primeiro-ministro.

António Costa falava na Assembleia da República, à entrada para o jantar de Natal do Grupo Parlamentar do PS, que começou com mais de uma hora de atraso, depois de o primeiro-ministro ter recebido em São Bento os diferentes líderes parlamentares sobre a situação financeira do Banif.

"Neste momento, o processo do Banif continua em apreciação nas instituições europeias, o processo de venda continua em curso e em qualquer circunstância o Estado garantirá sempre a integridade dos depósitos independentemente do seu montante", declarou o líder do executivo.

O primeiro-ministro dirigiu-se depois a "todos os depositantes do Banif, seja no continente ou nas regiões autónomas, seja ainda nas comunidades emigrantes", deixando-lhes "uma mensagem de tranquilidade".

"Independentemente da forma como decorra o processo de venda, que desejamos que corra bem, independentemente da forma como decorra o processo de apreciação na Comissão Europeia, que também desejamos que corra bem, há uma coisa que ficará sempre garantida, que é a da integridade do dinheiro dos depositantes, que será salvaguardada em qualquer circunstância. Portanto, não há nenhum motivo para que os depositantes terem qualquer quebra de confiança na instituição", advogou o primeiro-ministro.

De acordo com António Costa, durante as reuniões de hoje sobre o Banif, em São Bento, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, bem como outros representantes do supervisor financeiro nacional, "tiveram a gentileza de transmitir aos diferentes grupos parlamentares a informação que têm transmitido ao Governo".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • agradecido
    16 dez, 2015 Santarém 21:17
    Pois parece-me estar a perceber, quando a coisa dá para o torto a conversa dos políticos quer de direita ou esquerda tomba sempre para o mesmo lado, não se assustem que o vosso futuro está garantido.
  • sofia
    16 dez, 2015 lx 11:15
    Estão garantidos? Com os nossos impostos? Grande novidade!
  • Miguel Melo
    15 dez, 2015 Carnaxide 23:35
    Recordo aqui a entrevista recente (há dias) da renascença/RTP ao sr Amado: este é outro "senador" posto por alguns órgãos de comunicação a falar de cátedra regularmente sem sequer lhe perguntarem, como presidente do BANIF, quando é que o banco paga ao Estado o gigantesco empréstimo que recebeu. À beira de mais um desastre no sistema financeiro português o jornalista questiona sim o sr. Amado sobre a instabilidade que eventuais greves possam trazer! Ora já nem pondo de parte a oportunidade de tal preocupação (e a que propósito atual?) na vida dos países democráticos, esse empréstimo, cujo reembolso está atrasado, tornou o Estado o maior e maioritário acionista dum banco privado. E este senhor dito socialista é portanto um gestor duma empresa capitalista que não corre riscos (ao contrário do que dizem ser a sua própria natureza e merito): põe sim os contribuintes a correr riscos para ir buscar ele os lucros, se os houver, é claro. Viva o capitalismo e bem hajam os "jornalistas" e papagaios seus cronistas.

Destaques V+