Tempo
|
A+ / A-

Banif. Banco de Portugal garante estar a trabalhar para a "segurança dos depósitos"

15 dez, 2015 - 12:45

Esclarecimento surge após as notícias relativas a uma eventual intervenção no banco. Em cima da mesa pode estar uma solução semelhante à do BES, ou seja, dividir o banco em bom e mau.

A+ / A-

O Banco de Portugal garante que está a acompanhar a situação do Banif e "a actuar dentro dos seus poderes e competências enquanto autoridade integrada no Mecanismo Único de Supervisão europeu".

Em comunicado divulgado esta terça-feira, o banco central informa que está "em articulação com o Ministério das Finanças" para garantir "como é da sua competência, a estabilidade do sistema financeiro, bem como a segurança dos depósitos".

O banco central refere ainda que "o plano de reestruturação do Banif está a ser analisado pela Comissão Europeia e, em paralelo, está a decorrer um processo de venda internacional da instituição financeira conduzido pelo Conselho de Administração".

O comunicado surge na sequência das notícias avançadas este fim-de-semana sobre uma eventual intervenção no Banif. Em cima da mesa pode estar uma solução semelhante à do BES, ou seja, dividir o banco em bom e mau. Na reacção a estas notícias, o presidente do banco, Jorge Tomé, assegurou que o Banif está sólido, classificando como um "disparate" os rumores de encerramento.

Há três anos, o Banif foi nacionalizado pelo anterior Governo do PSD/CDS com uma injecção de dinheiros públicos de 700 milhões de euros e um empréstimo convertível de 400 milhões.

O banco teria de reembolsar a última parcela ao Estado no valor de 125 milhões em Dezembro do ano passado, mas não o fez, colocando o Banif sob vigilância apertada de Bruxelas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+