Tempo
|
A+ / A-

​Justiça espanhola liberta seis ex-ministros da Catalunha

04 dez, 2017 - 22:10

As fianças foram pagas pelas associações cívicas separatistas catalãs, que organizaram concentrações em frente às câmaras municipais para comemorar as libertações e protestar contra a continuação na prisão de quatro outros independentistas.

A+ / A-

Seis ex-ministros regionais do governo catalão de Carles Puigdemont foram libertados esta segunda-feira, depois de pagarem uma caução de 100 mil euros, cada um.

Raul Romeva, Carles Mundó, Dolores Bassa, Meritxell Borrás, Jordi Rull e Josep Turull estavam detidos preventivamente por suspeitas de delitos de rebelião, secessão e peculato.

As fianças foram pagas pelas associações cívicas separatistas catalãs Assembleia Nacional Catalã e Òmnium Cultural, que esta segunda-feira organizaram concentrações em frente às câmaras municipais para comemorar as libertações e protestar contra a continuação na prisão de quatro outros independentistas.

Os seis antigos ministros terão ainda de se apresentar semanalmente no Tribunal Superior de Justiça da Catalunha ou outro tribunal de comarca à sua escolha, estão proibidos de abandonar o país e têm de entregar os seus passaportes.

O juiz considerou que não há risco de fuga, mas observou que há risco de repetição de crime nos casos dos quatro que continuam detidos.

“Os seus casos estão directamente ligados a uma explosão de violência que, a repetir-se, não deixa margem para corrigir ou satisfazer aqueles que foram envolvidos nela”, considerou o juiz Pablo Llarena.

Também esta segunda-feira, o Supremo Tribunal decidiu manter em prisão preventiva quatro outros separatistas catalães: o ex-vice-presidente, Oriol Junqueras, o ex-ministro regional Joaquin Forn e os dois dirigentes de organizações separatistas, Jordi Sánchez (Assembleia Nacional Catalã) e Jordi Cuixart (Òmnium Cultural).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.