Tempo
|
A+ / A-

PSD chocado com chumbo da esquerda a isenção de IMI para imóveis ardidos

25 nov, 2017 - 12:48

Leitão Amaro considera que o chumbo é prova da insensibilidade do Governo e de que foram colocados interesses partidários acima das pessoas.

A+ / A-

O PSD manifestou-se "chocado" este sábado com o chumbo dos partidos da esquerda à sua proposta de isentar de IMI os imóveis ardidos nos incêndios deste ano e defendeu que a rejeição revelou, mais uma vez, a "insensibilidade" do primeiro-ministro.

"É chocante a decisão das esquerdas de terem chumbado a isenção de IMI para quem perdeu a casa ou a empresa", comentou à Lusa o deputado social-democrata Leitão Amaro, lembrando tratar-se de uma proposta do PSD de alteração do Orçamento do Estado para o próximo ano.

Na sexta-feira, PS, BE e PCP chumbaram a isenção do IMI para 2017 e 2018 para os imóveis que arderam nos incêndios, um chumbo que o deputado justifica com o facto de ser uma proposta do PSD e que, na sua opinião, mostra que o interesse partidário foi colocado acima do interesse das pessoas.

"O Estado falhou, mas ainda quer que os contribuintes paguem impostos por património que já não existe ou que já não tem o mesmo valor. Isto é inaceitável!", afirmou o deputado, defendendo ser de "elementar justiça" que esses contribuintes lesados pelos incêndios tenham isenção do IMI.

Segundo o deputado, o PSD vai voltar a propor aos deputados a discussão desta proposta de isenção do IMI na segunda-feira, requerendo a avocação desta proposta e sujeitando-a novamente a votação.

O chumbo do diploma do PSD mostra ainda, segundo Leitão Amaro, a falta de sensibilidade do primeiro-ministro António Costa: "Perante esta decisão chocante e absolutamente injusta, eu acho que o país percebe, novamente, a insensibilidade e ausência do primeiro-ministro", concluiu.

O PS, por seu lado, explica que uma proposta desta natureza poderia “afectar a autonomia de decisão municipal”.

A mesma fonte referiu que no ano passado “em sede de Orçamento de Estado foi aprovada uma alteração ao código do IMI no sentido de permitir aos municípios, com base em critérios objectivos, atribuir isenções do imposto.”

[Notícia actualizada às 14h17 com justificação do PS]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Gafanhoto
    26 nov, 2017 lisboa 14:30
    Em taxar rendimentos o guião de esquerda é inflexível. É um rapar do taxo até deixar de ter fundo e um odio permanente sobre quem consegue fazer poupanças- ,cuidado imigrantes- será igual ao BES- ou adquirir património.A cartilha é rapar ,sacar,pode-se dizer roubar via fiscal tudo e todos.A cartilha do BE e agora CGTP é a mesma ,são contra taxas liberatórias,poupanças,rendas casas etc.Se isto for permitido pelo PS será o maior assalto de sempre consentido e legalizado.A proposta de englobamento não promulgado são a demonstração do tipo de fiscalidade defendida BE,CGTP.Proposta para crescimento económico não fazem para assaltar via fiscal sobre os ativos existentes é fácil e não dá grande trabalho e agrada talvez aos 50% de contribuintes que não paga impostos.
  • 25 nov, 2017 aldeia 18:06
    O partido dos aumentos de impostos e dos cortes.agora.......está chocado.....que hipocrisia.
  • Bem
    25 nov, 2017 Lota 17:22
    A hipocrasia sem limites. Primeiro as clientelas e quem lhes da votos , o resto e paisagem. Ao estarem praticamente sempre calados durante e depois da catastrofe demonstra a sensibilidade que a esquerda tem, precisam de ser empurrados e apertados para reagirem, mas isto e surpresa? .
  • Mauricio
    25 nov, 2017 lisboa 16:28
    O que é imoral é a existência deste imposto ,taxas ,taxinhas e tachonas em que os políticos-governos todos os anos nos brindam antes do Natal e como Natal é quando os políticos querem e precisam temos novos impostos/cortes todo o ano .
  • chicana politica
    25 nov, 2017 lamego 15:59
    e por causa de inocentes e palermas como tu e que este pais esta na miseria em que esta vos tendes memoria e visao curta para alem de a unica coisa que sabeis fazer e acusar os outros dos erros que cometeis
  • antonio
    25 nov, 2017 lisboa 15:54
    Claro que os partidos políticos são uns hipocrates. Em 1º lugar estão eles, dirigentes e boys and girls e só depois os cidadãos e contribuintes. Porquê os Partidos estarem isentos de IMI ? será que o PCP é a entidade mais proprietária do País .......está esclarecido.
  • Luís
    25 nov, 2017 Lisboa 15:45
    Gostava de ouvir e ver os líderes dos três partidos dizer que não. Acho que a falta de humanismo deve ser ouvida e vista. Daqui a pouco ainda abrem um processo de beatificação a Pedro Passos Coelho. Os partidos podem alterar ou reverter as leis. Pagar IMI por uma coisa que não existe. Cada tiro cada melro. Bom fim de semana.
  • chicana politica
    25 nov, 2017 lis 14:42
    Puro oportunismo politico! Como é possível que durante 4 anos de sufoco governativo, o PSD fosse o campeão politico da insensibilidade, empobrecendo o país, destruindo famílias, mandando emigrar 400 mil portugueses, aumentando o desemprego para valores nunca imagináveis, aumentando a pobreza para valores dos 2500 milhões de portugueses, venha agora com toda a hipocrisia que os nutre, falar de insensibilidade? Tenham maneiras e deixem de nos atentar a inteligência!

Destaques V+