Tempo
|
A+ / A-

Vila Real. Cáritas disponível para colaborar com MP em caso de alegado desvio de verbas

14 nov, 2017 - 13:07 • Olímpia Mairos

A Cáritas de Vila Real afirma, em comunicado, não ter informações sobre a alegada investigação a um desvio de verbas que envolve o anterior presidente da instituição.

A+ / A-

A Cáritas de Vila Real afirma, em comunicado, não ter informações sobre a alegada investigação a um desvio de verbas que envolve o anterior presidente da instituição e manifesta-se disponível para colaborar com o Ministério Público.

Na sequência da notícia publicada esta terça-feira pelo Correio da Manhã, em que dá conta que o Ministério Público está a investigar um alegado desvio de 1,5 milhões de euros por parte do anterior presidente da instituição, a direcção da Cáritas de Vila Real em comunicado afirma que “não possui informações para além das que foram noticiadas”.

A Cáritas de Vila Real “reconhece o empenho e o trabalho que o Sr. Padre Ernesto Lúcio efectuou nos últimos 10 anos, enquanto presidente" da instituição "que contribuiu para o crescimento significativo da instituição”, pode ler-se no comunicado.

A actual direcção recorda que “a actividade da Cáritas Diocesana é supervisionada pela autoridade eclesiástica competente, com a qual colaborará nas medidas que esta achar adequadas tomar”.

A Cáritas Diocesana de Vila Real mostra-se ainda “disponível para colaborar com o Ministério Público naquilo que lhe for solicitado”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    16 nov, 2017 Porto 09:25
    A gente já sabe como é : excesso de massa monetária e falta de escrituração da mesma, resultando daí, a situação a que chegam estes e estas veneráveis senhores e senhoras. Mas os portugueses, calhordas por natureza estão sempre prontos a dar uma ajudinha sem cuidar de saber como é que esse estipendio é gasto ou...delapidado. Por mim. estas instituições, ou melhor, os seus irresponsáveis não recebem a ponta de um corno.
  • Filipe
    15 nov, 2017 évora 21:22
    Deviam era investigar tudo em Portugal que tivesse a ver com ajudas e dádivas .... quantos não tem já casas na praia e Mercedes topo gama por conta da solidariedade ?
  • Leife
    14 nov, 2017 LISBON 18:29
    Também não sabe que o gajo tem quatro filhos e vive amantisado com a mulher. Que grande padre e que grande igreja portuguesa.

Destaques V+