Tempo
|
A+ / A-

Atirador do Texas identificado. Chama-se Devin Kelley e tem 26 anos

06 nov, 2017 - 07:00

Ataque fez 26 mortos entre os 5 e os 72 anos. “Os nossos corações estão partidos”, disse Trump em Tóquio.

A+ / A-
Tiroteio em igreja no Texas faz pelo menos 26 mortos
Tiroteio em igreja no Texas faz pelo menos 26 mortos

Foi identificado o homem que, no domingo, matou a tiro 26 pessoas e feriu dezenas de outras numa igreja baptista, no estado do Texas (EUA). Chama-se Devin Kelley e tem 26 anos.

Kelley vivia a 56 quilómetros de Sutherland Springs, cidade onde ocorreu o massacre, e não parece ter ligação a qualquer organização terrorista. Desconhecem-se ainda os motivos do indivíduo.

Segundo o Pentágono, o suspeito esteve, “a certa altura”, na Força Aérea. Era militar e afastado depois de uma condenação por violência contra a mulher e o filho.

O ataque a tiro ocorreu na “First Baptist Church”, perto das 11h30 (17h30 em Lisboa), na altura em que decorria um culto. Devin Kelley estava armado com uma espingarda de assalto e vestia um colete à prova de bala. Foi, depois, abatido pelas autoridades.

De coração partido

Favorável ao porte de armas de fogo, o Presidente norte-americano (que se encontra de visita ao Japão), reagiu ao ataque sem abordar o tema, prometendo apenas “apoio total” ao “grande estado do Texas e a todas as autoridades locais na investigação a este terrível crime”.

Classificou ainda o massacre de “horrendo” e garantiu que o seu coração e o de Melania “estão partidos”.

“Unimo-nos, damos as mãos e apesar das lágrimas e da tristeza, mantemo-nos fortes”, afirmou ainda em Tóquio, acrescentando que “este acto diabólico ocorreu quando as vítimas e as suas famílias estavam num local sagrado”.

No Twitter, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, expressou as suas “profundas condolências” e disse estar “solidário, do fundo do coração” com os norte-americanos “neste momento difícil”.

Na opinião do governador Greg Abbott, este foi o pior massacre resultante de um ataque a tiro na história do estado do Texas. O director regional de Saúde Pública do Texas, Freeman Martin, diz que 23 das vítimas foram encontradas mortas dentro do edifício da igreja baptista, duas outras no exterior do edifício e uma pessoa foi levada pelos serviços médicos, mas acabou por sucumbir.

As vítimas mortais tinham entre os 5 e os 72 anos, segundo a mesma fonte.

[notícia corrigida às 10h30]
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo Cardoso
    07 nov, 2017 Bragança 17:26
    Massacre no Texas. Isto é titulo de um filme ou é vida real?
  • No país da diversão
    06 nov, 2017 Lisboa 10:54
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. O que Pedro Gomes P. de Lima 09:33 disse em relação aos Americanos aplica-se a quase todos e este é o verdadeiro problema atual. Temos assuntos graves e importantes para comentar cá e alguns comentam o que se passa nos EUA para desviar a atenção do mais importante. Alguns ainda não repararam que muitos comentadores comentam o que se passa na Catalunha como se a Catalunha pertencesse a Portugal. Como não pertence, porque razão comentadores comentam esse assunto? Catalunha é um assunto interno de Espanha! Mas grandes culpados deste tipo de jornalismo da diversão são o povo que compactua com isto e ainda gosta de ser manipulado!
  • Maria
    06 nov, 2017 Porto 10:51
    Mais um que tinha violência doméstica já no cadastro! Mas aqui em Portugal a violência doméstica é "só" uma razão para se abrir um processo.... depois a maioria volta para casa, o processo é arquivado por falta de provas - essa violência é dentro de portas e não há testemunhas (?) até que aconteça uma tragédia maior!! Pedro Dias também tem um caso de violência doméstica no cadastro, p. ex.....Os EUA precisam do negócio das armas.... pobre de quem está no sitio errado à hora errada.
  • O CRítico
    06 nov, 2017 Açores 10:15
    Falta dizer que este assassino pertence ao grupo terrorista local (USA) Antifa... Um bando de bandidos que andam a se manisfestar pelos USA contra as eleições Americanas, grupo este que tem sido incentivados pelos media tipo CNN e as suas mentiras como pela maquina do Cinema... Portanto este crime tem sangue mais uma vez dos betinhos tontos do politicamente correcto... fazem mais vitimas do que nunca este chamados democratas do que próprios ISIS.
  • Joaquim
    06 nov, 2017 Marinha Grande 10:04
    Quando na noticia se usa a palavra "missa" deveria constar "culto". As Igrejas Baptistas e demais Evangélicas, não celebram missas, mas prestam culto a Deus. Seria excelente uma revisão e melhor conhecimento quando se faz a tradução de algo tão importante na expressão de uma confissão de Fé.
  • Eu aki
    06 nov, 2017 Em casa 09:42
    E ainda por cima, todos esses twits no nome do Trampas nem sequer são escrito por ele, mas sim por um assitente. O gajo está-se a marimbar para isso.
  • Ana Maria
    06 nov, 2017 pt 09:38
    A precisão com que o comentarista ZÉ DAS COVESescreve fascina-me...
  • Pedro Gomes
    06 nov, 2017 P. de Lima 09:33
    Grande hipócrita, tão assassino é o que pratica, semanalmente, todos estes crimes, como, em grau de gravidade muito superior, o que recebe milhões e milhões de dólares para a campanha eleitoral. Os americanos são, mesmo, um povo de extremos: a inteligência de uns, lado a lado com a estupidez da maioria: continuem a ir nas cantigas de ANIMAIS como estes. Obama quis mexer na Lei das armas e foi impedido pela corja de corruptos do Congresso. Entretanto, a chamada "comunicação social" ainda publica as baboseiras que aquele fantoche para assustar pássaros, vai publicando no twitter, desta vez bem contidas pois o assassino não era negro, mestiço e não chamou por Alá.
  • José Proença
    06 nov, 2017 Castelo Branco 09:23
    Penso que os EUA têm de rever a sua politica sobre o negócio e uso de armas. Se será suficiente restringir a compra? Creio que não. Mas, provavelmente, reduziria em algumas centenas ou até milhares de mortes. Não é o fechar fronteiras com muros ou restringir a emigração. O problema é muito mais profundo.
  • Antonio
    06 nov, 2017 Mirandela 09:16
    O Senhor Presidente, apela à união. Eu pergunto : À união de quê, de quem e contra quem ? Há divisão nos EU, andam em guerra civil ? Ou estes sinais são apenas resultado de um País fortemente armado e que não sabe o que fazer com tanta arma ? Quem tem um Presidente destes só lhe resta "MESMO" matar a família, os amigos, vizinhos e suicidar-se para não sofrerem mais.

Destaques V+