Tempo
|
A+ / A-

Mulheres a ganhar o mesmo que homens? Daqui a mais de 200 anos, talvez

02 nov, 2017 - 13:48

Desde 2015 que as estimativas do Fórum Económico Mundial têm piorado. No campo da educação, contudo, há esperança de atingir a paridade em apenas 13 anos.

A+ / A-

As mulheres terão de esperar mais de 200 anos para atingir a igualdade salarial e de representação no local de trabalho, segundo números apresentados esta quinta-feira pelo Fórum Económico Mundial.

Mais do que revelar uma grande discrepância entre os salários ganhos por homens e mulheres no mundo actualmente, o estudo apresenta mesmo um recuo nesta matéria desde 2016.

Em 2015, o número de anos até atingir a paridade, ao ritmo de então, era 118 anos. Em 2016, subiu para 170 anos e agora, em 2017, voltou a registar uma subida, fixando-se nos 217 anos.

“Em 2017, não devíamos ver o progresso em relação a paridade de género a fazer marcha-atrás”, afirmou Saadia Zahidi, responsável do Fórum Económico Mundial por educação, género e trabalho.

Desde que o Fórum começou a apresentar relatórios sobre o assunto, nenhum dos 144 países estudados no mundo atingiu paridade a nível salarial.

Os cinco países que encabeçam a tabela de paridade são a Islândia, Noruega, Finlândia, Ruanda e Suécia, com o Iémen, Paquistão, Síria, Chade e Irão no final da lista.

O cenário muda de figura no que diz respeito à igualdade no campo da educação, com melhorias significativas a nível mundial e uma estimativa de que em apenas 13 anos as mulheres e os homens poderão atingir a paridade educacional, diz o estudo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DR XICO
    02 nov, 2017 LISBOA 15:19
    Podemos estar a falar daquelas empresas do Norte do país de testeis e sapatos em que todas as mulheres entram com o salário minimo e saem 45 anos depois com o salário minimo tb. será que nunca mereceram uma promoção durante toda a vida?? Já os patrões normalmente pansudos, patos bravos que tem pelo menos um Ferrari na garagem e vários Mercedes para mostrar aos outros patrões, já que empresários nunca serão.
  • Alberto
    02 nov, 2017 FUNCHAL 14:46
    Quando qualquer gravidez também for "de alto risco" ( sem ser internado) para o homem; quando ele estiver 1 ano em caso por cada gravidez da mulher, quando tiver redução de 2 h por dia de trabalho durante 3 anos !!
  • Al
    02 nov, 2017 La 14:01
    Igualdade salarial só daqui a 200 anos, e só da daqui a duzentos é que existirá igualdade profissional. Quero com isto dizer que só existirá igualdade salarial quando as mulheres também tiverem as mesmas profissões que os homens. Até hoje nunca vi nenhuma mulher trolha. Ou seja, o que as mulheres querem sei eu. Elas querem ganhar o mesmo que os homens, mas não querem trabalhar nas mesmas condições! Ide trabalhar para as obras que já ides ver o que é bom!