A+ / A-

Mulheres ganham em média menos 15% que os homens

04 out, 2017 - 18:50

A conclusão foi apresentada esta quarta-feira num relatório da OCDE.

A+ / A-

As mulheres ganham em média 15% menos do que os homens nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, "um obstáculo importante para um crescimento económico inclusivo", segundo um estudo da OCDE.

Uma trabalhadora a tempo inteiro ganha em média menos 14,3% por mês do que um trabalhador, uma diferença que quase não registou alterações nos últimos anos na zona da OCDE, indicou a organização, num relatório intitulado "Atingir a igualdade mulheres-homens: um combate difícil", elaborado com base em números de 2015.

A Índia (56%), a África do Sul (41%) e a Coreia do Sul (37%) são os três países onde a diferença é maior. No fim da lista, com uma diferença inferior a 4%, figuram a Costa Rica, o Luxemburgo e a Bélgica.

Em 2010, no conjunto da OCDE a diferença salarial era de 14,6%.

"Houve poucos progressos nos últimos cinco anos e as desigualdades persistem entre mulheres e homens em todos os domínios da vida social e económica", refere o estudo, que foi apresentado em Paris.

Nos países da OCDE, as jovens estudam mais tempo do que os jovens, mas ainda em áreas menos lucrativas como ciências, tecnologias, engenharia e matemática.

Os empregos ocupados por mulheres são "muitas vezes de menor qualidade", "garantem uma protecção social limitada" e são "sinónimo de precariedade", acrescenta o relatório.

As mulheres também estão sub-representadas, por exemplo, em cargos de direcção no sector público e político, ocupando em média um terço dos lugares nos parlamentos de países da OCDE.

"Nenhum país do mundo conseguiu instaurar a paridade. Mesmo nos mais igualitários continuam a ser registadas lacunas inquietantes entre homens e mulheres. Estas desigualdades (...) constituem um obstáculo importante para um crescimento económico inclusivo", afirma a organização.

As mulheres assumem ainda o essencial das tarefas domésticas e de cuidar dos filhos, estando Portugal entre os países da OCDE onde a maior parte desse trabalho "não remunerado" está a cargo de mulheres, a seguir à Coreia do Sul, Japão e México e antes da Turquia e Itália.

"O envolvimento dos pais na tarefa de cuidar dos filhos é essencial para que as mulheres tenham a possibilidade de participar plenamente no mercado de trabalho, na sociedade e na economia", defende o relatório.

Segundo a OCDE, mais de metade dos países da OCDE propõem uma licença de paternidade remunerada com uma duração mínima de vários dias e são cada vez mais os que reservam uma parte desta licença parental só para os pais, duas medidas consideradas "cruciais".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Helena
    05 out, 2017 Braga 07:36
    "Nenhum país do mundo conseguiu instaurar a paridade" Acho que isto diz tudo sobre este "estudo". Não há paridade porque não há nada para equiparar. As mulheres ganham menos porque trabalham menos, fazem part-time mais frequentemente e preferem posicôes pior remuneradas. Mas isso é uma opcão e ninguem tem nada a ver com isso. Se eu prefiro ter uma vida melhor e trabalhar menos a ganhar menos não tenho de pedir desculpas por isso.
  • Slicker
    04 out, 2017 Portugal 21:18
    Quando elas fizerem o mesmo que eles, exactamente nas mesmas condições, então aí concordarei na igualdade de remuneração, caso contrário "temos pena".
  • Telmo
    04 out, 2017 New York 20:08
    Se isto for verdade, porque e' que as empresas ainda contratam homens? Se as mulheres ganham 14% menos, ficaria mais barato contratar apenas mulheres
  • Raul Tavares
    04 out, 2017 Coimbra 19:53
    Não é o aconteceno meu local de trabalho. Aqui o que define o salário é a produtividade e não o sexo. Até porque aos olhos dos RH não passamos de numeros, quando nos chamam para alguma coisa é pelo numero e não pelo nome

Destaques V+