A+ / A-

Centenas de militares destacados nas ilhas não podem votar

29 set, 2017 - 17:49

Associação de Praças afirma que o Governo prometeu avançar com legislação que permita o direito de voto destes militares, mas até agora não houve alterações.
A+ / A-

Centenas de militares das Forças Armadas destacados nas regiões autónomas não vão poder votar nas próximas eleições autárquicas.

A Associação de Praças reclama o direito de voto e acusa o Governo de adiar a resolução do problema.

Em declarações à Renascença, Luís Reis, presidente da associação, diz que esta situação acontece em todos os actos eleitorais.

“Nós reclamamos um direito constitucional, mesmo a militares que são cidadãos em uniforme, que é a premissa de poderem votar nos actos eleitorais. E mais uma vez, o que vai acontecer no domingo, dia 1, nas eleições para as autárquicas, os militares que se encontram nas regiões autónomas, nomeadamente os que se encontram em missão provenientes do continente, não vão poder utilizar essa premissa de votar”, afirma Luís Reis.

A Associação de Praças afirma que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, prometeu avançar com legislação que permita o direito de voto destes militares, mas até agora não houve alterações.

No domingo, os militares em serviço nas ilhas, fora das suas áreas de residência, não vão poder votar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Susana
    02 out, 2017 00:06
    Os militares, nesta situação, podem pedir o voto antecipado, está previsto na lei.