Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

2017 já tem mais 485% de área ardida do que a média dos últimos 10 anos

16 ago, 2017 - 12:19

Em Junho, arderam numa semana 53 mil hectares de floresta. E grande parte dos incêndios começa à noite.

A+ / A-

Veja também:


Este ano está a bater o recorde nacional em termos de área ardida. Segundo os dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICN), até 31 de Julho tinham ardido em Portugal mais 485% de área do que a média dos 10 anos anteriores.

Em termos de ocorrências, 2017 é o 5.º ano com valor mais elevado, com mais 6% de incêndios do que a média dos registados desde 2007.

Os números são do ICN e foram divulgados esta quarta-feira pelo comandante nacional da Autoridade da Protecção Civil, Rui esteves, segundo o qual os incêndios florestais registados este ano consumiram 141 mil hectares, mais 26 mil do que em 2016.

Estes números não englobam, contudo, as últimas ocorrências, em Vila de Rei e Mação, por exemplo.

Olhando para o grande incêndio de Junho, que começou em Pedrógão Grande e abarcou mais quatro concelhos de outros dois distritos, a área ardida numa semana ascendeu aos 53 mil hectares.

No “briefing” semanal sobre os incêndios, em Carnaxide (Lisboa), Rui Esteves observou ainda que o índice de severidade meteorológica em 2017 tem valores que apenas foram superiores em 2005.

Clima. O terceiro ano mais severo em 15 anos

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IMPA), este “é o terceiro ano mais severo dos últimos 15 anos”.

“A severidade meteorológica” não é “apenas na temperatura, é também no índice de secura dos combustíveis e também no vento, que quando tem rajadas fortes provoca nos incêndios um desenvolvimento muito mais rápido e eruptivo”, explicou Rui Esteves.

Segundo o índice meteorológico de seca, em Julho, 16,5% do território estava em “seca moderada”, 69,6% em “seca severa” e 9,2% em seca extrema.

Rui Esteves comentou que “um grande número de incêndios, com um índice de secura dos combustíveis muito baixo, provoca claramente” a situação registada nos últimos dias a nível de incêndios.

Em termos de previsão meteorológica, o comandante nacional afirmou que se prevê uma subida de temperatura a partir de quinta-feira, um vento sempre predominante do quadrante noroeste e uma humidade relativa no interior sempre abaixo de 20%, “o que, naturalmente, a acontecer uma ocorrência nessas zonas, será muito mais complexa”.

Segundo o responsável, “esta situação vai trazer um agravamento da classe de risco de incêndio florestal para muito elevado ou mesmo máximo” até sexta-feira.

Perante esta situação, Rui Esteves apelou à população para ter “um comportamento assertivo e não um comportamento de risco” quando estiver “no interior da floresta”.

Grande parte dos incêndios começa à noite

Segundo o comandante nacional da Protecção Civil, 38% das ocorrências da última semana “ocorreram no período nocturno”. Rui Esteves não avançou pormenores, mas na noite anterior o secretário de Estado da Administração Interna já tinha afirmado que muitos incêndios tinham mão criminosa. “Não é só a meteorologia”, disse Jorge Gomes.

Comparando com a semana de 1 a 7 de Agosto, houve um acréscimo de 72% no número de incêndios rurais (mais 601) e um aumento de 103,6% no número de meios envolvidos (mais 22.887): mais 86% no número de missões aéreas e mais 73% no número de horas voadas.

Segundo Rui Esteves, os distritos mais afectados pelos incêndios na última semana foram Santarém, Coimbra e Castelo Branco.

No que toca a feridos decorrentes dos incêndios, foram registados 74 entre 8 e 14 de Agosto, bem como 49 pessoas assistidas, entre as quais 32 bombeiros, quatro militares da GNR e 13 civis.

Nessa semana, houve 1.431 ocorrências florestais, que envolveram 44.986 meios humanos, apoiados por 12.148 veículos e 831 missões aéreas.

[Notícia actualizada às 13h45 de 17/08/2017]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • galhardo
    17 ago, 2017 aveiras de cima 15:25
    PIOR ANO PARA QUEM PERDEU TUDO, mas uma maravilha para quem vive à fartazana dos fogos. No Universo nada se perde, apenas tudo se transforma e para que uns engordem, outros têm de emagrecer, não é verdade ? A Espanha desenvolveu-se depois da guerra civil e aqui, creio que Portugal se vai desenvolver depois dos fogos.
  • Luis
    17 ago, 2017 Lisboa 14:47
    A direitalhopitecusPafiosa continua a cavalgar a onda dos incêndios. Vamos lá ver se com a investigação da PJ não vão ficar em maus lençóis.
  • Emilia Sacadura
    17 ago, 2017 Guimarães 11:58
    Ao Antonio valente que é praticamente dos comentadores da geringonça de Lisboa.Mas para não ser mal educado com um senhor que deu a sua opinião vou dar uma indicação.Sabe que há torres espalhadas por essa floresta fora, para ter lá gente a observar e dar o alarme logo.Onde está esse pessoal?Fugiram? Não dispensaram-nos.No sei se foi a gerigonça,mas se não foi,de imediato os tinham lá posto. Até porque andam sempre a pedir mais emprego.Que bem pregas Frei Tomás!
  • af
    16 ago, 2017 Braga 22:55
    Para além da natureza, que tem sido madrasta, levar em linha de conta a desorganização, o amadorismo, as falhas de comunicações, o deixa arder, a opção por proteger (?) apenas as pessoas e infelizmente nem sempre. Ouvia falar em 49 meios aéreos disponíveis, pelo que vou ouvindo devem andar uns vinte no ar e nem sempre. FALTA ordenamento, organização, conhecimento, mais saber e menos política.
  • Jolia
    16 ago, 2017 Porto 22:22
    Muita mao criminosa, e politicamente, o pior cego e aquele que nao quer ver! Quem paga e a natureza!
  • Maria
    16 ago, 2017 Porto 21:12
    Votem neles, votem sempre! Dos 10 piores anos em questão de incêndios, mas não só. Pobre Povo Português. Não há pior cego....
  • Alexandre
    16 ago, 2017 Rego 20:36
    O Tuga é um bicho indiferente e apático. Vão acabar como os ciganos, sem pátria, a pedir esmola nas praças do mundo..
  • Jorge
    16 ago, 2017 Algarve 18:47
    Li no Sapo, esta manhã, que "secretário de estado" da geringonça disse /- isto: HÁ MUITOS FOGOS QUE SÃO DE "ORIGEM CRIMINOSA"! Fantástico! "Descobriu a pólvora"! TODA A GENTE SABE DISSO! Mas ... compreende-se! O "homem precisa de aparecer na fotografia"! DEIXEM-SE DE BALELAS! Vir "dizer" coisas destas é ... PURA DEMAGOGIA! O que se "pede" (digo eu) é que a "justiça que temos" seja OBRIGADA A AGIR COM MÃO PESADA! Há dias, foi preso um incendiário (denunciado por um sobrinho e "apanhado em flagrante") que tinha sido presente a tribunal onde lhe foi aplicada a pena de "termo de identidade e residência" ou seja ... LIBERDADE! O pirómano (ou lá o que ele for) aproveitou a "liberdade" e ... Quem devia ser preso (além do "incendiário")? Porque não o juiz que lhe deu "liberdade" para voltar a fazer o mesmo? NÃO DIGAM BANALIDADES! TRATEM DE AGIR!
  • fernando faustino
    16 ago, 2017 USA 17:54
    Então não é o povo que mais ordena!
  • Manuela Almeida
    16 ago, 2017 Venda Seca 17:29
    Gostaria de saber o que acontece com os criminosos que andam por aí a pegar fogo . Vão para casa descansar e nada lhes sucede. Que justiça é esta? Quando apanhados deviam ir para a frente dos fogos para sentirem o prazer das chamas... Coitados dos bombeiros, das populações que tanto sofrem e perdem.

Destaques V+