A+ / A-

O retrato (possível) da comunidade cigana em Portugal

21 jul, 2017 - 16:42

As polémicas declarações do candidato do PSD a Loures relançaram o debate sobre a comunidade cigana portuguesa. Quem são e como vivem os ciganos em Portugal?
A+ / A-
Em dois minutos. O retrato (possível) da comunidade cigana
Em dois minutos. O retrato (possível) da comunidade cigana

Chegaram a Portugal há cinco séculos, mas, ainda hoje, é difícil saber ao certo quantos são. O Alto Comissariado para as Migrações (ACM) aponta para 37 mil pessoas na comunidade cigana portuguesa, ou seja, representam menos de 0,5% da população do país.

Aliás, o estudo do ACM é o primeiro (e, até agora, único) a nível nacional sobre as comunidades ciganas. Realizado em 2014, com base em dados de 1.599 pessoas ciganas, conclui que um grande percentagem trabalha, embora não se trate de um trabalho no mercado formal, com contrato e salário.

Os dados revelam ainda que os ciganos portugueses têm baixos níveis de escolaridade, casam cedo e fazem da venda ambulante a principal actividade económica. Cerca de metade depende do Rendimento social de inserção (RSI).

Com a polémica aberta pelo candidato do PSD à Câmara de Loures, a Renascença recupera três infografias que ajudam a traçar um perfil da comunidade cigana em Portugal. André Ventura, em diferentes entrevistas, acusou a comunidade cigana de subsidiodependência, sublinhando que há excessiva “tolerância” em casos em que a “a lei não é cumprida”.

As declarações de André Ventura têm gerado reacções de vários quadrantes da sociedade. O CDS retirou mesmo o apoio ao candidato à Câmara de Loures.

Em Junho de 2016, a Renascença visitou o Bairro das Pedreiras, em Beja, onde 500 ciganos vivem lado a lado com ratos, cobras e sarjetas a céu a aberto, apesar das várias promessas de um futuro melhor. "O cemitério dos vivos" é o retrato de uma comunidade que continua a enfrentar dificuldades de integração.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Patrícia S. da Cunha
    26 out, 2017 Rio de Janeiro . Brasil 00:26
    Prezados Acabei de lançar um livro para colorir sobre o povo cigano e gostaria de saber se posso poderiam me ajudar na divulgação. Poderia mandar algumas imagens em preto e branco, e outras que já colori, só como exemplo. Agradeço a atenção e aguardo resposta.
  • João Cabaço
    23 jul, 2017 Arrifana 15:15
    Se estas pessoas que escrevem ou buscam estas coisas se desse ao trabalho de ir para o terreno ver como é que as coisas se passam na realidade, aí é que tinham alguma legitimidade para falar. Não se trabalha, não se pagam os impostos do que se "vende" nos mercados, mas têm-se à porta e na garagem, valentes e potentes automóveis, que na maior parte das vezes não têm seguro, não têm inspecções feitas. Assim não custa nada. Ou bem que temos todos os mesmos direitos e deveres, ou então não vale a pena. Obrigado.
  • Manuel António
    22 jul, 2017 Valadares 17:44
    Fiquei admirado inicialmente mas depois pelo desenrolar dos comentários da classe politica não me espantou principalmente o BE que para eles os ciganos são uns coitados. Coitados são os nossos reformados com reformas de 200€ e 300€ e eles arreceber o rendimento mínimo que é bem mais que as reformas miseráveis. Andam de bons carros é só velos na rua e impostos quem os paga, nós sim todos nós.E se têm duvidas e já que há tantas comissões de inquérito que façam mais uma e isto é um apelo ao bloco de esquerda averiguem quanto o estado esta a dar só á classe cigana e outras parecidas que nunca fizeram descontos...
  • Mario
    22 jul, 2017 Portugal 00:45
    Perguntem aos outros Paises que teem ciganos se os querem por la ? Nao sabem e como desfazerem-se deles pois minguem os quer...
  • Fausto
    21 jul, 2017 Lisboa 22:50
    Vão cortar o subsídio aos ciganos....Vão expulsar os ciganos do país...isto não tem assunto nenhum....
  • mendes
    21 jul, 2017 braga 19:56
    com os meus 67 anos ja convivi ja negociei e ja vivi a beira de ciganos e o que e que eu sei sei que ganham a vida no contrabando de armas e drogas roubos de toda e especie e do ris os politicos teem medo dos ciganos pois teem todos teem medo dos ciganos ainda ha poucos dias estava a meia hora nas urgencias para ser atendido chegou uma mulher cigana rodeada de uns quantos comecaram com ameacas e ele foi logo atendida eu nao sou cigano continuei a espera da minha vez sera que sou racista ou sera que apenas digo a verdade trabalhei uma vida inteira andei na guerra a servir o meu pais e recebo 310euros e eles sem nada fazerem quanto recebem
  • couto machado
    21 jul, 2017 porto 19:40
    foram precisas umas declarações, ou melhor, uma opinião de um político, que ouvi e reli, nas quais, apenas devem sentir-se ofendidos, os ciganos que vivem à pala dos outros cidadãos. Há ciganos e ciganas de comportamento invejável, comparados com os da nossa raça. Gente humilde e franca e muito educados. Digo isto por experiência pessoal, dado que o Bairro São João de Deus, demolido pelo senhor Rui Rio, albergava centenas de famílias ciganas (avós, filhos e netos), que sempre que passavam à minha porta, cumprimentavam. e consideravam-me vizinho. A polémica aberta, só serve os interesses políticos, nada mais.
  • Manuel Costa
    21 jul, 2017 Agueda 19:20
    Portugal está a ficar com a democracia afunilada e há o perigo de voltarmos á censura do tempo de Salazar!...Então as pessoas já não podem ter opinião sobre qualquer assunto? Façam um levantamento e digam quantos ciganos pagam impostos e quantos vivem á pála do Estado!...Publiquem o resultado e depois veremos quem tem razão.
  • JORGE JESUS
    21 jul, 2017 COIMBRA 17:55
    O estado não pode é subsidiar coletividades,não portuguesas,sejam elas quais forem,em detrimento dos naturais do pais,que enfrentam tremendas dificuldades,em qualquer situação,em beneficio de coletividades que não tem a minima dificuldade em obter toda a especie de benefeicios.Qualquer que seja a procedência dessas coletividades,as leis do pais tem que prevalecer.
  • Emilia Soares
    21 jul, 2017 Lisboa Alvalade 17:45
    Vamos lá ver o homem de Loures tem razão.Agora os políticos e a CS vivem de estereótipos e não. de verdades e factos.Vejamos como exemplo: Manuela Ferreira Leite, só a compreendo se ela tiver uma costela dessa etnia.Ela que anda por bairros nobres talvez não se aperceba o que essa etnia faz,do que vive e a forma original como uma parte ganha dinheiro para viver.Por isso quem vive nos meio urbanos da classe média/baixo sabe melhor o que se passa.Agora quem se habituou a ir ás compras com motorista quando estava no poder e depois frequenta bairros da alta classe social não encontra gente desta etnia.E opina na ideias da escuridão e fica bem dizer e reprovar quem fala com sustentação dos factos.A cobardia tem sido o analgésico de muitos políticos sem estatuto e quando poder foram uma negação.