Tempo
|
A+ / A-

Alex subiu uma escarpa de 900 metros sem cordas. E ficou a ouvir os passarinhos

12 jun, 2017 - 20:07

O alpinista norte-americano fez o que nunca ninguém tinha feito. Escalou o mítico “El Capitan”, na Califórnia, sem qualquer equipamento de segurança.

A+ / A-

Sozinho, sem cordas ou qualquer equipamento de segurança. Foi assim que Alex Honnold enfrentou uma escarpa com 900 metros e desafiou a morte, naquela que é considerada “a maior façanha da história da escalada”.

O norte-americano, de 31 anos, começou a subir ainda de madrugada e demorou três horas e 56 minutos para chegar ao topo do “El Capitan”.

Nunca ninguém tinha escalado sem equipamento de segurança a mítica parede, situada no parque nacional de Yosemite, no estado da Califórnia.

O feito inédito e muito perigoso aconteceu a 3 de Junho e foi registado passo a passo. Vai resultar num documentário e numa reportagem para a revista da “National Geographic”.

Quando chegou ao topo do “El Capitan”, Alex Honnold sentou-se, comeu uma maçã, ouviu o chilrear dos passarinhos e descreveu a maior experiência da sua vida.

“Eu sabia exactamente o que fazer durante todo o tempo. Muitas das pegas para as mãos na rocha são como velhos amigos”, contou o alpinista profissional à “National Geographic”, que treina habitualmente naquele local.

“A montanha não me pareceu muito assustadora"

Subir montanhas é tão natural como respirar para Alex, que confessa ter-se sentido “muito menos assustado” do que noutras subidas a solo.

“A montanha não me pareceu muito assustadora. Foi como sempre. Eu não tinha muito peso às costas e a escalada foi incrível. Não ter que arrastar 60 metros de corda durante toda a subida, senti-me muito mais fresco e com mais energia.”

Manter a concentração é fundamental durante a subida, mas Alex ainda teve tempo para pensar num email de apoio que um amigo lhe enviou e em objectivos de vida.

A modalidade de “free soloing”, fazer escalada sozinho, sem cordas ou qualquer equipamento de segurança, não é para corações fracos e provocou uma dúzia de mortes nas últimas décadas.

Para estar preparado para este desafio de subir ao topo do “El Capitan”, Alex Honnold treinou durante mais de um ano nos Estados Unidos, China, Europa e Marrocos.

O projecto foi mantido em segredo e só um restrito grupo de amigos sabia. Nem a família tinha conhecimento do objectivo de Alex.

Em Novembro, Alex Honnold fez uma primeira tentativa, mas desistiu passado menos de uma hora a subir, porque as condições não eram as melhores.

Agora que conseguiu escalar o “El Capitan”, admite que ainda não tem bem a noção do que atingiu e que há coisas mais importantes no mundo, como os Estados Unidos continuarem no Acordo de Paris sobre alterações climáticas.

“É engraçado. Quando finalmente alcanças algo, não parece ser um grande feito, porque colocaste tanto empenho nisso”. Mas “é sempre fixe quando alguém trabalha em alguma coisa difícil e alcança o seu sonho. Espero que alguém se possa inspirar nisto”, conclui Alex Honnold.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+