Tempo
|
A+ / A-

Chefe, mas pouco... Theresa May ganha eleição, mas perde aposta

08 jun, 2017 - 21:59

Sondagens à bocas das urnas dão a vitória aos Conservadores, mas sem maioria suficiente para formar governo sem coligação. É um cenário desastroso para Theresa May.

A+ / A-
Chefe, mas pouco... Theresa May ganha eleição, mas perde aposta
Chefe, mas pouco... Theresa May ganha eleição, mas perde aposta

Veja também:


Theresa May venceu as eleições no Reino Unido, mas poderá ter perdido a aposta que fez ao dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas.

A projecção à boca das urnas dá a vitória ao Partido Conservador, mas com uma maioria inferior ao que gozava na anterior legislatura e sem capacidade de formar Governo sozinho.

Segundo as projecções, os Conservadores conseguem eleger 314 deputados, mais 48 do que o Partido Trabalhista mas a 12 deputados da maioria necessária para formar Governo sem coligação.

Os Democratas Liberais conseguem 14 deputados e os nacionalistas escoceses do SNP 34. O UKIP, segundo esta sondagem, não elege nenhum deputado.

Apesar de só ter conseguido eleger 266 deputados, o Partido de Corbyn pode considerar-se vencedor uma vez que na altura em que May convocou as eleições antecipadas as sondagens davam resultados muito inferiores. Corbyn consegue mesmo mais 34 deputados do que o seu antecessor Ed Miliband, em 2015.

Segundo esta sondagem há ainda 22 lugares por apurar. Estes podem ser decisivos, pois a margem permite dar maioria absoluta aos Conservadores.

A confirmar-se este resultado, representa também uma derrota para muitas das empresas de sondagens que, mais uma vez, se terão enganado nos dias antes da eleição. A maioria das sondagens dava uma vitória bastante confortável aos Conservadores, apesar de estes terem registado quedas ao longo das semanas de campanha.

Theresa May dissolveu o Parlamento com a esperança de poder reforçar a sua maioria, argumentando que só assim poderia encarar com firmeza as negociações do Brexit. A confirmar-se a projecção à boca das urnas, estes resultados representam um verdadeiro desastre e uma aposta perdida para a primeira-ministra. Existe mesmo a possibilidade de Corbyn conseguir formar Governo de coligação com os partidos mais pequenos, mas precisa de garantir muitos dos lugares que ainda estão indefinidos e precisará sempre de conseguir um acordo com vários partidos e não apenas um.

Já o Partido Conservador poderia, em teoria, formar Governo com o apoio dos Democratas Liberais. Contudo, os Lib Dems, como são conhecidos, prometeram que não o fariam e o SNP dificilmente quererá dar força a May para negociar um Brexit com o qual não concorda.

Aumenta assim a possibilidade de se ter de realizar novas eleições, caso não seja possível formar Governo.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    09 jun, 2017 Alcochete 07:20
    São 07.19h da manhã e a May entalou-se. NÃO HÁ MAIORIA ABSOLUTA. Sai um JP para a mesa 4.
  • JP
    09 jun, 2017 Lisboa 01:04
    Cuidado arautos das canções de amigo do tacho europeu. A sra May vai ganhar com maioria absoluta porque a diferença de votos para a maioria é escassa e numa sondagem à boca das urnas no passado já demonstraram que a coisa pode virar e o brexit sair vitorioso.

Destaques V+