Tempo
|
A+ / A-

“Ninguém pode redimir-se de tratar os refugiados hoje como seres humanos”

27 mai, 2017 - 01:44 • Paula Costa Dias

Reafirmação foi feita durante homenagem a Monsenhor Joaquim Carreira.

A+ / A-

O presidente da Associação de Amizade Portugal-Israel apela a que se trate os refugiados como seres humanos.

Numa sessão de homenagem a Monsenhor Joaquim Carreira, sacerdote que salvou perto de 200 pessoas, incluindo judeus, das perseguições nazis, António Caria disse, no entanto, que é preciso incutir-lhes o sentido da vida.

“Ninguém pode redimir-se de tratar os refugiados hoje como seres humanos. Talvez seja necessário incutir neles o elã para a vida. Talvez seja isso que distingue as vítimas do Holocausto dos refugiados de hoje”, disse.

Organizada pelo Clube Unesco da Escola Básica de Santa Catarina da Serra, Leiria, a homenagem a Monsenhor Joaquim Carreira contou com a presença do jornalista António Marujo. Para o autor da obra “A Lista do Padre Carreira”, o homenageado ainda hoje nos interpela.

“Nós podemos aprender esta coisa tão simples que é seguir a nossa consciência e perguntarmos sempre o que podemos fazer para salvar uma vida e recusar esse discurso de que tem de ser assim porque não há alternativa”, refere.

“Um apóstolo do Bem”, assim foi o também chamado padre aviador, classificado pelo seu sobrinho, o padre João Mónico.

Natural da freguesia de Caranguejeira, Leiria, Monsenhor Joaquim Carreira foi tornado “Justo entre as Nações” pelo Memorial do Holocausto de Jerusalém. A maior distinção para não-judeus que pode ser emitida em nome do Estado de Israel e do povo judeu, sendo uma honra atribuída apenas a heróis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ana GONÇALVES
    01 set, 2017 Lisboa 00:15
    Conversa a treta.
  • António Costa
    27 mai, 2017 Cacém 08:49
    Contrariamente aos refugiados do "Holocausto" que agradeceram a ajuda recebida, os refugiados de hoje não partilham os mesmos valores que nós. Os valores do respeito pelo "outro" e pelo que é diferente. Temo-los respeitado, termos deixado ou ajudo a que eles mantivessem a sua Cultura, construindo locais de culto no nosso território. E o que aconteceu? Apelos à nossa morte e à nossa destruição. Foi como se os refugiados do Holocausto viessem defender Adolfo Hitler e o Nazismo para o meio de nós.....

Destaques V+