Tempo
|
A+ / A-

As vidas que o Papa mudou

13 mar, 2017 - 11:43 • Matilde Torres Pereira , com Maria João Cunha

Da primeira criança que Francisco pegou ao colo em público ao Presidente da Colômbia. Da pintora portuguesa baptizada por Francisco a Raúl Castro. Francisco foi eleito Papa há quatro anos e muitas vidas mudaram por causa dele.

A+ / A-

São inúmeras as vidas que o Papa Francisco tocou nestes quatro anos de pontificado. Muitas não podemos conhecer, mas as públicas estão à vista do mundo inteiro. A Renascença compilou uma lista com dez pessoas ou povos que foram marcadas pelo pontificado do "Papa dos sorrisos".

JOSÉ MARIA. A primeira criança que Francisco pegou ao colo em público

Gestos como este haviam de se tornar recorrentes e fazer parte de todo o percurso do Papa. Mas, numa altura em que o mundo começava ainda a descobrir Francisco, a fotografia foi tomada como icónica – e correu mundo.

Na missa de inauguração do pontificado, a 19 de Março de 2013, o papamóvel dá a primeira volta à Praça de São Pedro com o seu novo ocupante. Pela primeira vez no pontificado, Francisco pega numa criança para a beijar. A alegria coube a José Maria, um menino de um ano, filho de pai português e mãe argentina, que a Renascença entrevistou.

José Maria, o menino que encantou Francisco
José Maria, o menino que encantou Francisco

JEB BUSH, ex-governador da Flórida e filho de George W. Bush, na primeira pessoa, durante a viagem do Papa aos EUA em 2015

“Milhões de católicos americanos, como eu, estão entusiasmados com o facto de o Papa Francisco estar a fazer a sua primeira viagem aos Estados Unidos. No nosso Santo Padre temos um modelo de santidade pessoal e profunda preocupação com os mais vulneráveis entre nós. Ele recorda-nos da necessidade de falarmos com os perseguidos, é defensor dos nascituros, conforta os aflitos e acolhe o estranho.

Os 'especialistas' gostariam que ele fosse político, mas a sua carga é muito maior que essa: ele é o líder espiritual para o maior grupo de cristãos na Terra e uma inspiração para todas as pessoas de boa vontade.

A Igreja que Francisco leva nunca se cansa de proclamar a dignidade de todas as pessoas - uma verdade que também está no cerne da nossa forma de Governo, que promete liberdade e justiça para todos. Está subjacente à primeira liberdade na nossa Constituição, a liberdade de religião, uma liberdade que muitos dos nossos governos perderam de vista nos últimos anos.”

OS FIÉIS PORTUGUESES, quando confirmou que viria a Fátima para o centenário das aparições

O bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, levava o convite como principal ponto da agenda do encontro entre ambos, no Vaticano, em Abril de 2015. O Papa terá respondido de imediato: “Tenho a vontade de ir à celebração do centenário, assim Deus me dê saúde e vida. Depende disso”.

Foi a primeira vez que Francisco confirmou a intenção explícita de visitar Fátima e também a primeira vez que recebeu um bispo português em audiência privada.

HELENA LOBATO, a pintora portuguesa baptizada pelo Papa

A Renascença já contou a história de Helena Lobato, uma pintora de Almada que pensava não ter fé e que acabou por ser baptizada pelo Papa Francisco na basílica de São Pedro, no Vaticano.

Helena contou à Renascença que, inspirada por uma reportagem sobre Francisco, escreveu uma carta ao Papa num momento mais difícil da sua vida. Foi surpreendida por uma resposta com um desafio. A 4 de Abril, sábado santo, a pintora recebeu o sacramento do baptismo pelas mãos do próprio Francisco , a quem ofereceu um quadro pintado por si.

Helena pensava que não tinha fé. Papa vai baptizar pintora portuguesa
Helena pensava que não tinha fé. Papa vai baptizar pintora portuguesa

JUAN MANUEL SANTOS, Presidente colombiano e Prémio Nobel da Paz

O Papa recebeu no Vaticano o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos Calderón, Prémio Nobel da Paz, numa audiência que ficou marcada pelo processo de paz no país. Juan Manuel Santos manifestou a Francisco o seu “apreço” pelo contributo dado para o bom desenvolvimento das negociações entre o Governo colombiano e os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) - um entendimento que permitiu colocar um ponto final a 52 anos de conflito armado e enveredar por uma paz que os dois responsáveis esperam que “seja estável e duradoura”.

O Papa e o Presidente da Colômbia destacaram a importância de um diálogo continuado “entre as forças políticas colombianas e as FARC” e da “Igreja Católica local continuar a oferecer o seu apoio a favor da reconciliação nacional e da educação para o perdão e para a concórdia”. Como marca desse desejo, “entre os documentos que o Papa doou ao Presidente Santos estava a mensagem para o Dia Mundial da Paz 2017”, que Francisco dedicou “ao tema da não-violência”.

D. MANUEL CLEMENTE, patriarca de Lisboa

A 14 de Fevereiro de 2015, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco cria o cardeal o patriarca D. Manuel Clemente. Lisboa volta assim a ter um cardeal menos de um ano depois do falecimento de D. José Policarpo, que ainda participa na eleição de Bergoglio.

O bispo de Lisboa é o segundo entre 20 novos cardeais a receber os símbolos do cardinalato das mãos do Papa Francisco. D. Manuel, que a Renascença acompanhou antes e depois da cerimónia, há-de voltar o foco para Francisco.

“Temos no rosto, na figura, nas palavras do Papa Francisco, um sinal muito belo, muito convincente de como Cristo-pastor continua presente na sua Igreja", disse, na altura, o patriarca.

D. Manuel Clemente. Quem é o novo cardeal do Papa Francisco?
D. Manuel Clemente. Quem é o novo cardeal do Papa Francisco?

EDUARDO DA SILVA CAMPOS, o adolescente evangélico brasileiro que o Papa converteu

“Após um longo período de reflexão sobre minha vida e a vida da Igreja de Cristo aqui na terra, descobri a minha verdadeira Casa, minha verdadeira vocação”. Com essas palavras, o jovem carioca Eduardo da Silva Campos, 19 anos, converteu-se ao catolicismo em Dezembro de 2013.

O gesto aconteceu 135 dias após ter emocionado o mundo quando apareceu com um cartaz de acolhimento ao Papa Francisco durante a Missa de Envio da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Dizia o cartaz: “Santo Padre, sou evangélico mas eu te amo!! Ore por mim e pelo Brasil! Tu és Pedro…”

Eduardo nasceu numa família protestante e cresceu junto à Mocidade da Assembleia de Deus de sua cidade, uma das mais fortes denominações do meio evangélico. Assim como milhares de jovens, Eduardo sentiu o desejo de participar da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, em 2013. O encontro dos jovens com o Papa ajudou-o a perceber a juventude da Igreja Católica. Foi nas areias de Copacabana que experimentou o momento chave para a sua conversão junto aos mais de três milhões de participantes.

Foi também na viagem apostólica ao Brasil que Francisco teve o surpreendente gesto de beijar uma Nossa Senhora da Aparecida negra. Em 1904 a imagem tornou-se padroeira do Brasil e passa agora a ficar associada também ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima pela entronização de uma réplica da imagem original, trazida pelo arcebispo da diocese de Aparecida, o cardeal Raymundo Damasceno Assis. Foi a primeira vez que se entronizou uma imagem no santuário além da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

RAÚL CASTRO e o povo cubano

Em Maio de 2015, o Presidente cubano Raúl Castro colocou a mão sobre o coração e confessou, na presença do Papa Francisco, que sua visita ao pontífice "foi a visita mais importante” em toda a sua vida. O líder da comunista de Cuba ficou profundamente comovido com a sua visita ao Papa, como ele próprio reconheceu diante da imprensa. Castro disse-se tocado "pela sabedoria, a modéstia e todas as virtudes" do pontífice nascido na Argentina. “Eu li todos os discursos do Papa e, se o Papa continuar a falar assim, voltarei a rezar e voltarei à Igreja, e não estou a brincar", disse Castro.

Em Setembro de 2015, Cuba perdoou 3.522 presos num gesto que autodenominou de “humanitário” e que precedeu a visita do Papa Francisco. Já depois da visita, em Novembro, a pedido do Papa o Governo de Cuba decidiu perdoar 787 prisioneiros. Os abrangidos foram seleccionados de acordo com os crimes cometidos e pelo comportamento enquanto cumpriam a pena ou aguardavam pela sentença. O perdão não abrangeu prisioneiros acusados por homicídio, violação, corrupção de menores, tráfico de drogas ou crimes similares.

As mulheres, os jovens e as pessoas com doenças terão recebido um tratamento especial. Cuba não admite ter prisioneiros políticos, mas é possível concluir, por exclusão de partes, que alguns dos perdoados neste caso terão sido encarcerados por oposição ao regime.

Raúl Castro agradece o empenho do Papa Francisco
Raúl Castro agradece o empenho do Papa Francisco

D. JOSÉ ORNELAS, o bispo missionário de Setúbal

A notícia chegou no Verão de 2015: o novo bispo português iria para a diocese de Setúbal. A nomeação de D. José Ornelas surgia depois de D. Gilberto Reis, anterior bispo da diocese, ter renunciado por motivos de idade. O novo bispo acabaria por revelar em carta pública que tudo aconteceu com um encontro pessoal e perante um “pedido” de Francisco que impressionaram o prelado português.

"O Papa Francisco, que tive ocasião de encontrar pessoalmente, mudou estes planos [ir em missão para África]. Quando me deu a alegria de encontrá-lo, disse-me: 'Não te imponho, mas peço-te que vás como bispo para Setúbal… mas irás como missionário… a Europa tem necessidade de redescobrir a sua dimensão missionária'. E aqui estou".

D. José Ornelas. Um missionário em Setúbal
D. José Ornelas. Um missionário em Setúbal

LUIS MIGUEL CINTRA, actor e encenador

O actor e encenador, para quem “o encantamento com a vida” é o “ponto de partida” para a fé, conversou com a Renascença sobre a sua reaproximação à Igreja, hoje “sem pompas”.

Sobre se a eleição do Papa Francisco coincide com o seu momento de reaproximação à Igreja, responde que a sua ligação à Igreja é prévia, mas ri-se e admite: “Foi se calhar um milagre que me fizeram lá no céu”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+