A+ / A-

Portugal fora do Acordo Ortográfico? Petição chegou ao Parlamento

09 mar, 2017 - 15:34

Mais de 20 mil pessoas assinaram a petição que foi entregue esta quinta-feira na Assembleia da República.
A+ / A-

Chegou ao Parlamento esta quinta-feira uma petição a defender a desvinculação portuguesa do Acordo Ortográfico de 1990. É uma petição assinada por mais de 20 mil cidadãos.

Várias figuras públicas, incluindo Bagão Felix, António-Pedro Vasconcelos e Alfredo Barroso, estiveram presencialmente na Assembleia da República.

Ivo Barroso, um dos promotores da recolha, diz à Renascença que a petição tem o valor simbólico de uma iniciativa legislativa de cidadãos.

“As 20 mil assinaturas são o número de uma iniciativa legislativa de cidadãos. Por iniciativa do PS ficou de ser criado um portal desde Agosto do ano passado e não foi criado. Esta iniciativa vale politicamente ou simbolicamente como uma iniciativa legislativa de cidadãos que esperemos que seja levada a sério pelos partidos representados na Assembleia da República”, disse.

Entre as 20 mil assinaturas estão também António Lobo Antunes, Mário Cláudio, Manuel Alegre e Carlos do Carmo, por exemplo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Alves
    12 mar, 2017 Aldeia de Paio Pires 09:33
    Acho que foi correto o baixo assinado em defesa da nossa ortografia Portuguesa, parabéns viva PORTUGAL independente e os organismos que que o defendem.
  • Carmen Leite
    11 mar, 2017 Porto 19:52
    Todos iguais, todos diferentes.
  • Daniel Soromenho
    11 mar, 2017 Lisboa 16:51
    Para quem ainda não percebeu ou não se apercebeu e se gasta e agasta em lutas inglórias: “Os acordos, como sempre se provou, são feitos para as gerações seguintes”.
  • João Alves
    10 mar, 2017 Cacém 11:55
    Tempo perdido.Arrangjem outra causa.
  • Mario Guimaraes
    10 mar, 2017 Lisboa 09:39
    A tentativa de destruição da língua portuguesa feita pelos traidores aqui metidos por estrangeiros no 25 de Abril!
  • Joaquim Amado
    09 mar, 2017 França 23:28
    Os outros 4 Países de língua latina não foram a reboque de terceiros. A França e a Espanha, que tiveram um império cada um, nunca estiveram dependentes das suas colónias. Esta situação é impensável! Porquê este atropelo à nossa bela língua? HAJA BOM SENSO !
  • Leonardo
    09 mar, 2017 Massamá 18:28
    Estou de acordo, se tivesse oportunidade também assinava, Gosto de escrever em Português e não em Brasileiro de forma errática!!!!!!!!!!!para nós Portugueses
  • Ernesto Clímaco
    09 mar, 2017 Porto 18:09
    É com enorme satisfação que verifico que no nosso país ainda há pessoas que se preocupam com uma, senão a mais importante, matéria que nos devia preocupar a todos, que é a Língua Portuguesa - a nossa língua. Apoio, incondicionalmente, a iniciativa. Só espero que a classe política não assobie para o lado e cumpra o seu papel. Apesar de ser um simples cidadão, aquilo a que os ingleses designam por "ordinary people", sempre me fez imensa confusão como foi possível alguém cometer a barbaridade de fazer as alterações que foram feitas na nossa ortografia, sabe-se lá em razão de que interesses! Dos nossos, não foi com certeza! Vivi durante alguns anos no Brasil e lembro-me de um familiar, por sinal professor da USP, me ter dito com alguma tristeza e mágoa que dentro de 50 anos o português do Brasil nada teria a ver com o de Portugal, inclusivamente o próprio nome da língua que passaria a designar-se língua brasileira ou brasileiro, pois havia um um importante sector da sociedade brasileira representado no Congresso Nacional e que nada tinha/tem a ver com a cultura portuguesa que tudo estava e está a fazer para se distanciar de nós, a não ser que nos deixássemos vender! Mas o grave da questão é que "certas elites bem pensantes" (?!) com a subserviência habitual a que nos habituaram, infelizmente, vergaram/vergam a cerviz mais uma vez! Quo Vadis Lusitânia...
  • ADISAN
    09 mar, 2017 Mealhada 17:46
    A resistência ao AO/90 não é uma birra de velhos contra novos; de não-democratas contra democratas; ou sequer de algumas massas populares contra os seus intelectuais, como certos iluminados pretendem fazer crer. A resistência a este verdadeiro atentado ao nosso património linguístico é um acto de defesa da PÁTRIA e seu património e, portanto, um dever de todos os PORTUGUESES, muito em especial daqueles que, ao assumir altos cargos da Nação, juraram a sua defesa.
  • Daniel J.P.H.
    09 mar, 2017 Alto do Bexiga 17:33
    Concordo plenamente.