Tempo
|
A+ / A-

Pastor adventista detido por abuso de menor em Tomar

23 fev, 2017 - 16:56 • Celso Paiva Sol , Filipe d'Avillez

O suspeito foi afastado do seu cargo em 2015, quando se começou a falar do caso, mas continuou a viver nas instalações da Igreja e a abusar da vítima.

A+ / A-

Um pastor adventista foi detido esta quinta-feira em Tomar, suspeito de ter abusado sexualmente de uma menor ao longo de seis anos.

Fonte próxima do processo disse à Renascença que os abusos começaram no início de 2010, quando a vítima tinha apenas sete anos e o suspeito era o principal pastor da comunidade Adventista do Sétimo Dia em Tomar.

Em 2015, quando o assunto se tornou tema de conversa, terão sido tomadas medidas para que o pastor fosse afastado do seu cargo, porém continuou a residir nas instalações da Igreja em Tomar e os abusos também se mantiveram, até pelo menos Março de 2016.

Segundo a fonte contactada pela Renascença, os abusos tiveram lugar na Igreja, na casa e no carro do suspeito e em casas de familiares da vítima. Mais recentemente houve também contactos nas redes sociais.

O suspeito, que é brasileiro e tem 54 anos, foi detido pela Polícia Judiciária e será apresentado na sexta-feira ao Tribunal de Instrução Criminal de Santarém para ser ouvido e para se decidirem as medidas de coacção.

"Não surpreende"

Contactado pela Renascença, o actual pastor da comunidade adventista de Tomar, Ezequiel Quintino, disse que a notícia não o supreendia, uma vez que já havia suspeitas sobre o comportamento do anterior pastor.

"A Igreja agiu de acotdo com as normas éticas e pastorais", afirma o pastor ezequiel, "afastando-o das actividades pastorais".

"O caso ficou entregue à justiça, que levou o seu tempo a agir", conclui.

O actual responsável da comunidade confirma, contudo, que o suspeito continuou a viver na casa pastoral depois de ter sido afastado das suas responsabilidades.

[Notícia actualizada às 17h12]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Gilberto sousa
    25 fev, 2017 Albufeira 16:28
    Acho qui si for provado este homem cometeu os abuso sexsual devi sim cer preso e tratado ele esta mentalmente duente espiritualmente esto é repuguinnte aos olho de Deus.

Destaques V+