Tempo
|
A+ / A-

Luís Salgado Matos: O Patriarcado de Lisboa é uma “honra para Portugal”

23 fev, 2017 - 10:45

No mundo há apenas dez Patriarcados, incluindo o lisbonense. “As suas teses desafiam tanto católicos como não católicos”, defende o autor do livro “O Patriarcado de Lisboa. Três séculos de uma instituição lisboeta, nacional e católica (1716-2016)”.

A+ / A-

O Patriarcado de Lisboa é uma “honra para Portugal”, comparável em termos mundiais às distinções no futebol ou no cinema, defende o investigador Luís Salgado Matos numa obra comemorativa dos 300 anos da instituição.

O livro “O Patriarcado de Lisboa. Três séculos de uma instituição lisboeta, nacional e católica (1716-2016)” propõe “uma nova interpretação do Patriarcado de Portugal, articulando-o com o passado e o futuro do nosso país”, disse o autor à agência Lusa. “As suas teses desafiam tanto católicos como não católicos”, sublinha.

“O Patriarcado de Lisboa é fonte de distinção para Lisboa e para Portugal. O nosso país só beneficia de distinções mundiais comparáveis no futebol e na produção de filmes”, disse Salgado Matos na apresentação da obra.

Na Europa Ocidental, além de Lisboa, só Veneza tem a qualidade patriarcal e, no mundo, há apenas dez Patriarcados incluindo o lisbonense.

“A palavra Patriarcado tem um ressaibo misterioso”, afirma Luís Salgado Matos, referindo que “evoca dias de glória mundial do nosso país, ligados à formação do Brasil”, tendo sido graças ao seu ouro que D. João V pôde constituir uma armada que várias vezes foi em socorro do Papa contra os turcos.

“Mas”, ressalva o autor, a palavra “evoca também dias sombrios, quando a Inquisição queimava pessoas nas praças de Lisboa”.

O autor questiona se a qualidade patriarcal não estará ultrapassada, e é contrária ao espírito do Concílio Vaticano II (1962-65), pois a palavra "reacende a pompa, a luxo", e refere que o Patriarcado “conheceu momentos de crise e decadência”, e sua existência foi até ameaçada, nomeadamente em 1823, quando os liberais pretendiam a sua extinção, mas prevaleceu o argumento do cardeal Consalvi, segundo o qual "é uma fonte de honra para Portugal".

A obra, afirmou o autor, que “atreve-se a propor uma breve síntese do Patriarcado de Lisboa”, traçando “as grandes linhas do que foi e é” na vida do país “em interacção com o pulsar do catolicismo”.

Isto é, esclarece o autor, “uma interpretação do Portugal moderno e, em segundo lugar, do papel que nele desempenha o catolicismo”

A construção desta obra “obrigou a recolher informação e aprofundar reflexões sobre a instituição”, fazendo Luís Salgado Matos referências a recolhas documentais, como a do Monsenhor José de Castro, ou a diferentes monografias, além da consulta em arquivos. O período temporal e a generalidade dos temas abordados é uma “vastidão”.

O Patriarcado de Lisboa foi criado por bula do Papa Clemente XI, em 7 de Novembro de 1716. O actual Cardeal Patriarca D. Manuel Clemente afirmou várias vezes que esta categoria não distingue a diocese de Lisboa das outras dioceses do país, pois cada uma responde por si ao Papa, mas realçou o seu espírito de missão e evangelização, de "ir ao encontro do outro".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 23 fev, 2017 lisboa 11:22
    Sou português e não me sinto nada honrado!!

Destaques V+