Tempo
|
A+ / A-

​Sobrelotação das prisões e falta de guardas são “mistura explosiva”

20 fev, 2017 - 12:23

Antigo ministro da Administração Interna, Rui Pereira, fala de problemas crónicos.

A+ / A-

O antigo ministro da Administração Interna, Rui Pereira, diz que a falta de guardas prisionais e a sobrelotação dos estabelecimentos prisionais pode conduzir a situações de fuga como a que se verificou no fim-de-semana no Estabelecimento Prisional de Caxias.

Em declarações à Renascença, num comentário a este caso, considera ser “prematuro dizer o que falhou antes do inquérito estar concluído”, mas lembra os crónicos problemas do sistema prisional.

“Há duas coisas que nós sabemos: a primeira é que há uma crónica sobrelotação dos estabelecimentos prisionais em Portugal; a segunda, sabemos também que existe uma crónica falta de elementos dos serviços prisionais, nomeadamente guardas prisionais”, descreve.

Rui Pereira acrescenta que “a mistura destes dois elementos é realmente explosiva e pode levar a situações de ruptura ou de fuga”.

Três reclusos, dois chilenos e um português fugiram na madrugada de domingo do Estabelecimento Prisional de Caxias, concelho de Oeiras, através da janela da cela que ocupavam.

A Associação Sindical de Chefias do Corpo da Guarda Prisional diz que a evasão é fruto da "dramática falta de guardas prisionais".

Em comunicado, a Direcção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais informou que os evadidos são dois cidadãos chilenos, com 29 e 30 anos, e um português com 30 anos e que "se encontravam presos a aguardar julgamento por crimes de furto e roubo".

A fuga mereceu a instauração de um processo de averiguações, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspecção da Direcção Geral".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    20 fev, 2017 aveiro 16:27
    Problema que não é só de hoje , já lá vão vários governos com o mesmo bébé ao colo . Lamentável é o aproveitamento politico e pré eleitoral dos Pafiosos, que nada resolveram deste assunto e outros durante o próprio mandato . Só PALHAÇADA para entreter o Zé Povo !
  • Zénabo
    20 fev, 2017 Venda da Porca 16:25
    Falta o quê? ! Não falta coisa nenhuma e o que até há em demasia é corrupção e claro o dinheiro sempre falou mais alto e enquanto houver dinheiro vai haver sempre fugas !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
  • Horacio
    20 fev, 2017 Lisboa 15:31
    Segurança e um direito humano como saúde e educação. O mínimo que se espera do estado e que tenha capacidade para gerir esses 3 itens . Obviamente que prisões sobrelotadas e fugas não dão confiança a população
  • Marquês de Púbol
    20 fev, 2017 Viseu 14:20
    Não me parece que haja falta de elementos! O que há é a falta de gestão. Em vez de termos Esquadras de Polícia (com perto de 30 elementos e uma média de 1 viatura para cada 3 elementos) em cidades com menos de 3.000 habitantes paredes meias com um Posto da Guarda Nacional Republicana, talvez fosse melhor existir uma só força policial, por exemplo! Isto passa-se numa cidade do distrito da Guarda e segundo consta a PSP só lá está por interesse superior do comando distrital, que sem ela perderia esse mesmo comando distrital! Sintomático da tão falada falta de meios, e de viaturas e do raio que os parta a todos!