• PS
    PS
    33,38%
    7DEPUTADOS
  • PPD/PSD
    PPD/PSD
    21,94%
    4DEPUTADOS
  • B.E.
    B.E.
    9,82%
    2DEPUTADOS
  • PCP-PEV
    PCP-PEV
    6,88%
    1DEPUTADOS
  • CDS-PP
    CDS-PP
    6,19%
    1DEPUTADOS
  • PAN
    PAN
    5,08%
    1DEPUTADOS
  • Aliança
    Aliança
    1,86%
    0DEPUTADOS
  • OUTROS
    OUTROS
    7,90%
    0DEPUTADOS
Freguesias apuradas: 3092 de 3092 | Abstenção: 68,63% | Votos Nulos: 2,69% | Votos em Branco: 4,25%Resultados em detalhe ▷
A+ / A-
VISTO DE BRUXELAS

Grécia exige novos entendimentos

10 fev, 2017 - 14:07 • Sérgio Costa/Francisco Sarsfield Cabral

Atenções voltadas uma vez mais para a dívida da Grécia: há a indicação de que os credores da zona do euro e o FMI chegaram a um entendimento apresentarem uma posição comum sobre o programa de assistência financeira a Atenas.
A+ / A-
Visto de Bruxelas - a análise à semana que passou na UE 10-02-2017
Visto de Bruxelas - a análise à semana que passou na UE 10-02-2017

Durante vários meses, o Fundo Monetário e o Eurogrupo divergiram quanto à dimensão do superavit primário que a Grécia deveria atingir em 2018, bem como em relação ao alívio da dívida.

O presidente do Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem anunciou, de resto, uma reunião a realizar-se ainda hoje entre representantes dos credores e o Governo grego. A ver vamos qual será o resultado desse encontro.

Novos desafios a marcar a semana

Esta foi mais uma semana europeia centrada nos principais desafios internacionais que a União Europeia enfrenta. Com uma agenda carregada, os chefes da diplomacia europeia estiveram reunidos, sobretudo preocupados com a situação na Líbia. É urgente estabilizar o país e ajudar a guarda costeira líbia a travar a vaga de migrantes em direcção à Europa. Portugal vai continuar a ajudar nesse processo de estabilização, promete o Ministro dos Negócios Estrangeiros.

Os 28 também se comprometem a melhorar as condições de vida dos refugiados nos campos líbios. Por outro lado, Augusto Santos Silva diz que o Governo tem a intenção de reabrir a embaixada portuguesa na Líbia, mas as condições de segurança ainda não o permitem. A crise migratória continua a marcar a agenda europeia. Esta semana a Comissão apresentou novo ponto de situação sobre os mecanismos de reinstalação e recolocação de migrantes que chegam à Europa. O vice-presidente da Comissão Frans Timmermans admite processos de infracção contra os Estados-membros que não recebem a sua parte de migrantes, mas também diz que avançar com esses processos pode ser contraproducente. É necessário fazer mais em termos de acolhimento. Das 160 mil pessoas previstas, só 12 mil foram recolocadas até agora. Todos os países devem ser solidários com a Itália e a Grécia onde estão milhares de migrantes.

A semana europeia fica também, de novo, marcada pelo Brexit. O Governo escocês está preocupado com a saída do Reino Unido da União Europeia e quer ter uma palavra a dizer no processo, quando for desencadeado o famoso artigo 50 do Tratado Europeu para negociar a saída. Por seu lado, a Primeira-ministra britânica diz que o Parlamento escocês não poderá vetar o processo de saída. O Governo britânico deverá lançar o processo de separação da UE já em Março.

A União Europeia prepara-se para perder um dos seus membros, por isso a urgência de preparar o futuro a 27, uma reflexão que está em curso, num momento em que se celebrou, esta semana, o 25º aniversário do Tratado de Maastricht. O Tratado garantiu avanços como o euro, uma moeda europeia imperfeita que é necessário completar, defende a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques.

Com os olhos postos nas lições do passado, mas também na necessidade de garantir o futuro, a União Europeia procura relançar o projecto de integração. Agora também num novo contexto internacional com a chegada de Donald Trump. Por isso, esta semana a vice-presidente da Comissão, Federica Mogherini, e o comissário com a pasta da Migração estiveram em Washington para tentar identificar áreas onde é possível trabalhar em conjunto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.